RELEMBRANDO BOB MOTTA

Valério Mesquita – mesquita.valerio@gmail.com

O saudoso Bob Mota,foi o poeta do povo. Autor consagrado que dispensa ladainhas. Publicou mais de quinze cordéis e manteve coluna semanal “Cantinho do Zé Povo”, em jornais de Natal e de outros municípios. O irrequieto Roberto Coutinho da Motta foi acolhido no Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte como notável pesquisador das raízes da nossa cultura popular e por tanto brasileira, pela demonstração da exuberância da fala do povo, da sua capacidade de fabular que nasce da mitologia do cotidiano.

Seu livro “Preservando o Matutês”, teve uma segunda edição devido ao sucesso alcançado pelo primeiro volume que o tornou mais conhecido e respeitado nos meios culturais e de comunicação. Inclusive, participou das duas últimas edições do FESERP – Festival Sertanejo da Poesia – Prêmio Augusto dos Anjos, em Aparecida, Paraíba, classificando-se com os poemas matutos: “A Queima de Espinho” e “Meu Chapéu de Couro”, em oitavo e sexto lugar, entre 195 e 208 participantes respectivamente. Ganhou o título de cidadão da Câmara Municipal de Boa Vista/PB.

Mais ainda, com honra para o Rio Grande do Norte, ele integrou a equipe do humorista Tom Cavalcante, como redator free lancer, de 1999 a 2000, colaborando com piadas, causos, poemas matutos e paródias de sua autoria.

O segundo volume foi enriquecido com mais oito cordéis sobre fatos ocorridos no dia a dia do Brasil e do mundo, como fiel observador do panorama visto de cima da ponte Newton Navarro. Vale dizer, que o autor resgatou com lucidez e seriedade um patrimônio espantosamente rico de nossas raízes prestes a ser esquecido.

Os verbetes acrescidos e anotados com riqueza de detalhes, fixam para sempre o autor como um estudiosos inigualável da linguagem popular pura e genuína, como as águas inaugurais dos velhos tempos do nordeste brasileiro. Os olhos do autor, ao longo de sua vida estiveram sempre fixos na direção do relâmpago do sertão do Cariri resistindo, pesquisando e defendendo a poética maneira de ser da gente, confirmando a perene identidade de suas raízes.

Ninguém, mais que o nosso Bob, merece o título de “HERÓI DO SERTÃO”, não por ter andado na caatinga feito justiceiro armado, mas por haver recolhido, junto ao povo, um linguajar – o “matutês – resultante de contingências históricas, sociais, econômicas e, principalmente, culturais”.

Bob Motta ao lado de Ariano Suassuna, de quem foi amigo. Foto: Google

Bob Motta conduziu a sua obra como fruto de uma pesquisa enriquecida pela verve e bom humor tanto potiguar quanto do Cariri paraibano, tal e qual um ato de amor e de coragem. Amor às raízes de sua região, o Nordeste, à fala arguta da gente simples do sertão, à riqueza vocabular de homens humildes que muitas vezes, sem saber, utilizam expressões verbais extraídas do português camoniano do século XVI.

Teve a coragem de registrar – quando a atenção do grande público é conduzida para a problemática urbana ou cosmopolita – a presença atuante e preponderante de uma realidade rural que se impunha pela riqueza do imaginoso e poético. Em todas as suas obras, é constante a imagem do sertão e dos sertanejos, das figuras tradicionais, folclóricas, e acima de tudo, pela exuberância fala do povo, da sua capacidade de fabular.

Bob Motta – Foto Tribuna do Norte

O poeta viveu de 1958 a 1981, ao lado de seu pai, o saudoso empresário João Francisco da Motta, “Seu Motta”, no sertão do Cariri paraibano. Em 1981, com o seu falecimento, Bob ainda ficou por lá até 1991. Sua sensibilidade, sua capacidade de glosar e “gozar” foram alimentadas pela seiva inesgotável de humor nordestino que parecia fundamentar-se na aspereza e na ternura da geografia, das plantas, das macambiras, dos xiques-xiques e das amorosas. E pontualmente do verde escuro das serras que se tornam azuis na neblina do amanhecer e se avermelham no incêndio do crepúsculo.

Nesse cenário, o autor edificou sua existência e sua literatura. Sempre, em seu ouvido secreto cantará a voz do matuto narrando “causos” no alpendre, diante da noite imensa, ritmado pela sanfona do forró de pé de serra. Não faltarão as imprecações jocosas durante o jogo de sueca, as sonoras flatulências sertanejas sublinhando as sentenças seculares. Bob Motta, herói de letras, sílabas, palavras, com talento, deixou um legado, um acervo robusto de linguagem popular, como sua perene identidade com a gente nordestina.

Compartilhar em:

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.