De volta ao passado… (3)

Eles “fechavam” (como dizia antigamente) a sociedade mipibuense. Era quem ditavam a moda e os bons momentos da juventude local.  Época  das calças boca de sino, da Cuba Libre (uma bebida feita à base de rum, coca cola e limão),  dos conjuntos musicais The Jedson’s, Zíngaros, Impossíveis, Impacto 5, Sui Generis, Banda Notáveis, Apaches, Banda Feras, entre outros, que animavam as festas na Associação Esportiva Mipibuense, de saudosa memória. Esses jovens  de São José de Mipibu  frequentavam as praças,  nos  fins de semana, para“paquerar”. Da esquerda pra direita: Raimunda Frutuoso, Vera Cavalcanti, Nívia Monteiro, Fátima Andrade, Núbia Monteiro, Edilson(Didi) Avelino e Lúcia Amaral. A foto foi feita diante da centenária Escola Estadual Barão de Mipibu, na época “Grupo Escolar”, em um ano (desconhecido) da década de 70. Lá se vão mais mais de 40 anos. Saudades… (Foto do arquivo da professora Lúcia Amaral)

Crônica do domingo

Uma das melhores lembranças que guardo da minha infância está relacionada aos dias de Sábados – dia de feira em João Câmara, cidade onde nasci e vivi alguns dos melhores momentos da minha vida. O dia de Sábado era especial na cidade por inúmeras razões: a primeira delas era a feira, que começava na madrugada da Sexta. Depois vinham os batizados, os casamentos e os bailinhos no Baixa-Verde Esporte Clube onde dancei pela primeira vez.

Localizada na microrregião do Mato Grande e contando com mais de 30 mil habitantes, João Câmara é uma Cidade Pólo, motivo que transforma a sua feira em um grande evento, arregimentando pessoas de vários pontos do Estado. A feira, portanto, era uma das maiores do Rio Grande do Norte ocupando várias ruas da cidade e onde se vendia de tudo.


Feira no interior é sinônimo de festa. É como se passar um dia inteiro dentro de um shopping. Guardando as devidas diferenças, é claro. Na época em que eu era criança, esta festa se estendia até às 19:00 horas e no meu universo infantil, o que havia de mais atrativo naquele evento, era o colorido das lonas que cobriam as inúmeras barracas e que podiam ser vistas ao longe.

Era justamente nos dias de feira, que as famílias residentes nas áreas mais distantes do centro realizavam os batizados das crianças e os casamentos de seus filhos. Nessa época, a cidade não dispunha de médicos permanentes. O atendimento à população era realizado aos Sábados, por médicos que vinham da capital. As filas de pessoas esperando por atendimento eram quilométricas. Outra fila enorme era formada diante do único consultório odontológico de então, onde o dentista José Maria atendia a todos os que procuravam seus serviços.

Entre as barracas da feira, o barulho era enorme, porque os feirantes anunciavam entre gritos, os produtos que vendiam. Uma banca, em especial, chamava a minha atenção: a banca de Seu Lelê – o vendedor de revistas e livros. Era ele quem ficava com a maior parte da minha mesada. Guardo boas lembranças desse tempo, em que ficava encantada com a variedade de produtos colocados à venda e pela criatividade das propagandas feitas pelos feirantes.

Lembro-me, por exemplo, de que certa vez, um cidadão muito bem vestido vendia um remédio, que segundo ele, era excelente para acabar com as lombrigas das crianças. O homem falava, falava, mas ninguém lhe dava a menor atenção. Então, ele perguntou a alguém como se chamava o prefeito da cidade e se ele tinha alguma filha. Prontamente responderam: Chico da Bomba tem uma filha chamada Edinha.


O vendedor, então, mudou o enunciado da publicidade: “Senhoras, e Senhores, um minuto de sua atenção, por favor. Se seu filho tem lombriga é muito fácil de curar. Dê a ele um comprimido de Biparezima, por dia. Minha gente, esse remédio é milagroso. Edinha, filha de Chico da Bomba (ex-prefeito de João Câmara), estava cheia de lombriga. A menina botava lombriga até pelos ouvidos. Tomou Biparezima e ficou boazinha”.


Uma multidão havia se formado em torno do vendedor e ouvia atentamente as palavras do homem. Quando ele falou em Chico da Bomba, como num passe de mágica, todos pediam ao mesmo tempo um vidro do remédio, que não foi suficiente para os interessados. Cheio de dinheiro no bolso, o sujeito desarmou sua barraca e foi embora antes do meio-dia.


Nesse período, o pároco da cidade era Monsenhor Freitas, que ganhou notoriedade na região graças à sua brabeza e mau humor. Ele passava praticamente o dia inteiro, aos Sábados, realizando missas, batizados e casamentos. E foi justamente no final de um dia de intensa atividade na Igreja, que chegou um casal de negros vindos de um sítio distante, localizado na comunidade de Beira do Rio, para batizar seu primeiro filho.


O casal, não cabia em si de contentamento pela chegada do rebento e possivelmente pensando na festa que iria oferecer aos amigos e compadres, depois do batizado. Monsenhor Freitas, que parecia ler os pensamentos do homem, olhou para ele e perguntou: “Qual é o nome do menino? ” O pai cheio de orgulho respondeu: “Washington”. Ao que o Monsenhor retrucou: “O que? Vai botar o nome de Washington nesse negrinho? Eu não batizo de jeito nenhum”. E continuou: “Nome de negro é Benedito”. E foi assim que o menino passou a se chamar. Um fato destes na atualidade, o Padre sofreria um processo, sem sombra de dúvidas.(Nadja Lira – Jornalista • Pedagoga • Filósofa

 03.06.2011)

Secretaria de Saúde de Mipibu apresenta ações de combate ao Covi-19

A Prefeitura Municipal de São José de Mipibu, por meio da Secretaria Municipal de Saúde segue adotando ações de enfrentamento e combate ao novo coronavírus, Recentemente foi realizada distribuição de máscaras facial aos comerciantes, ambulantes, taxistas e mototaxistas.

No ato da entrega os servidores municipais orientaram sobre a forma de higienização e uso da máscara, assim como a importância de cumprir as medidas de prevenção estabelecidas pelos decretos municipal e estadual.

Em virtude do fluxo de pessoas no Mercado Publico integrantes do Comitê responsável pelo enfrentamento ao COVID-19 no município se reuniram com representantes do mercado com o objetivo de organizar o fluxo de atendimento no espaço público, definindo estratégias para este sábado (30), uma vez que está proibida a feira livre na cidade.

Como forma de prevenção, foi realizada a lavagem nas áreas interna e externa do mercado, que posteriormente receberam desinfecção e estruturação para controlar o fluxo de pessoas. (FOTOS CEDIDAS)

Começa dia 1º de junho campanha de vacinação contra febre aftosa

O Instituto de Defesa e Inspeção Agropecuária do RN (IDIARN) inicia nesta segunda-feira (1º) a primeira etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa. Nesta etapa, que segue durante o mês de junho, a vacina é obrigatória para os animais de todas as idades.

O produtor cadastrado junto ao IDIARN deve adquirir a vacina em uma das lojas autorizadas. Após isso, vacinar os animais e declarar o rebanho até 15 de julho em um dos escritórios do próprio IDIARN, EMATER ou Secretarias Municipais de Agricultura.

A febre aftosa é uma doença causada por vírus que provoca febre e aftas, principalmente na boca e entre os cascos dos animais, causando enorme perda na produção de leite e carnes.

Neste domingo (31), encerramento do mês Mariano em Mipibu

A Paróquia de Santana e São Joaquim, de São José de Mipibu, realizará, neste domingo (31), a partir das 16h30 o encerramento do mês Mariano. Por conta da pandemiria do Covi-19 e isolamento dos fiéis, com a imagem de Nossa Senhora percorrerá as ruas da cidade e algumas comunidades.

O cortejo retornará a Igreja Matriz, ocasião em que o pároco, padre Lenilson, celebrará a Santa Missa e fará a coroação de Nossa Senhora.

A missa será transmitida às 19h, pelo Youtube e Facebook, sob a coordenação da Pastoral de Comunicação (Pascon) da paróquia.

Governo do RN prorroga suspensão das aulas da rede pública e privada até 06 de julho

O Governo do Rio Grande do Norte publicou, neste sábado (30), o Decreto Estadual nº 29.725 que prorroga o prazo de suspensão das atividades escolares presenciais nas unidades da rede pública e privada de ensino do Rio Grande do Norte até o dia 6 de julho de 2020.

A governadora professora Fátima Bezerra ressalta que a prorrogação da suspensão das aulas visa mitigar o contágio pelo coronavírus e salvar vidas. “Diante dos números de contágio pela Covid-19 que, ainda, estão muito altos em nosso Estado, não há possibilidade de retomarmos as aulas. O ambiente escolar tem muita circulação de pessoas. E nesse momento nossa prioridade é diminuir a curva de contágio. Como eu tenho dito, a economia pode esperar, o comércio pode esperar e as aulas também podem esperar. À frente de tudo isso está nosso compromisso em cuidar, preservar e salvar a vidas das pessoas”.

O novo decreto prorroga a suspensão das aulas no âmbito do ensino infantil, fundamental, médio, superior, técnico e profissionalizante. O documento também autoriza a Secretaria Estadual da Educação, da Cultura e do Lazer (SEEC) a antecipar o recesso escolar (compreendido no período de 24 de junho a 6 de julho), mediante diálogo com o Conselho Estadual de Educação (CEE).

Abrigo Anízia Pessoa sorteada no Nota Potiguar em maio

As instituições cadastradas no Programa Nota Potiguar, do Governo do Estado do RN, continuam recebendo recursos através dos sorteios. O Abrigo Anizia Pessoa, de São José de Mipibu, foi contemplada com recursos no 11° período,  nesse mês de maio. Obrigado mais uma vez a todos e que ajudaram

Ministro do STF Alexandre de Moraes diz que “Liberdade de expressão exige responsabilidade”

O ministro Alexandre de Moraes, relator do chamado inquérito das fake news no Supremo Tribunal Federal (STF), disse hoje (27) que as liberdades de expressão e de imprensa precisam ser exercidas, seja em mídias tradicionais ou nas redes sociais, de modo responsável, com a consciência de que os abusos devem ser punidos.

“Não podemos confundir liberdade com irresponsabilidade”, afirmou Moraes, que participou na manhã desta quarta-feira (27) de um debate virtual sobre liberdade de imprensa e segurança de jornalistas organizado pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

O ministro condenou ainda ataques a jornalistas e seus familiares, seja presencialmente ou na internet, por meio do que chamou “milícias digitais”. Para Moraes, é preciso punir os responsáveis por tais ataques de modo a garantir a livre circulação de ideias na democracia.

Em sua fala, Moraes disse que “não se pode vedar a livre circulação de ideias, a livre manifestação de ideias, a livre expressão, a liberdade de imprensa, tanto que a Constituição veda censura prévia. Agora, a mesma Constituição autoriza a responsabilização se a notícia for dolosamente [intencionalmente] danosa, se a notícia for direcionada a macular a honra de alguém, se a notícia for direcionada a influenciar resultados eleitorais”.

“Não é o momento da teoria do apaziguamento, é o momento da aplicação da lei, da Constituição, é o momento do fortalecimento da imprensa, da segurança dos jornalistas e da rápida responsabilização de quem ataca os jornalistas, presencial e virtualmente”, disse o ministro.

As declarações foram dadas poucas horas depois de a Polícia Federal (PF) realizar, com a autorização de Moraes, buscas e apreensões em endereços de 17 pessoas suspeitas de envolvimento em um esquema de produção e financiamento de informações falsas e ofensas contra autoridades da República.

PGR

Também presente ao debate, o procurador-geral da República, Augusto Aras, discursou antes de Moraes. Em sua fala, Aras elencou normas legais para punir abusos como a calúnia e a difamação e defendeu que seja valorizado o “bom jornalismo”.

“Existe a boa imprensa profissional, que devemos velar. Essa imprensa que se manifesta ao longo da história do nosso país buscando se fortalecer no contexto dos fatos, buscando fazer a crítica ponderando no ambiente factual. E existem aqueles que se dizem jornalistas e que usam de blogs para ocupar espaço no ambiente da internet e que colocam verdadeiras aleivosias, que incitam a violência coletiva, em particular de certas autoridades ou mesmo de cidadãos e que merecem todo o nosso reproche”, disse o procurador-geral da República.

Agência Brasil

Olho D’água FM realiza programação com seus colaboradores de forma remota

Renan Silva, um dos comunicadores, transmite seu programa, de sua residência

Um funcionário da Olho D’água FM, de São José de Mipibu foi diagnosticado com suspeita de Covid-19. Diante disso, a direção da emissora suspendeu as atividades presenciais, por 15 dias.

Toda a programação dos comunicadores e colaboradores está sendo de forma remota, desempenhando sua programação na íntegra, sem modificar nenhum programa. “Estamos fazendo tudo de casa”, disse um dos colaboradores ao blogoalerta.com.br

Procurado, o diretor da emissora de rádio, Rudimar Ramon, enviou a nota, que transcrevemos, a seguir:

“Considerando o Decreto do Governo do RN e o Decreto Municipal, a Direção da Rádio Olho D’água FM, em respeito aos ouvintes, e seguindo as orientações de isolamento social, a fim de evitar a proliferação do Covid-19 (coronavírus), tomou a iniciativa de suspender o livre trânsito na emissora, passando à desempenhar sua programação na íntegra, sem modificar nenhum programa, apresentando-os portanto, de maneira remota.

Ou seja, a programação continuará sendo realizada pelos comunicadores na sua integralidade, ressaltamos que todos os que fazem a Rádio Olho D’água FM, também, dedicam esforços para orientar e fazer com que as informações de prevenção cheguem à população com isonomia, responsabilidade e prezando pela veracidade das informações.

Nossa decisão tem alicerce nos decretos (Estadual e Municipal) e também segue a orientação da Secretaria Municipal de Saúde, que desde o primeiro momento continua prestando total apoio e esclarecimento à imprensa e à sociedade Mipibuense. Renovo os votos de estima e consideração. 

Rudimar Ramon e Ene Ricardo – Diretores