Jornalismo com ética e coragem para mostrar a verdade.

junho 26, 2024

Israel X Hamas: Atrocidades sem fim

Em vez de destruir o grupo, tudo o que Israel tem feito foi sublinhar a própria existência do Hamas, na medida em que órfãos palestinos não pensarão duas vezes em se alistar nas fileiras da facção Ferido e ensanguentado, o palestino foi amarrado ao capô de um jipe militar de Israel.

Em vez de destruir o grupo, tudo o que Israel tem feito foi sublinhar a própria existência do Hamas, na medida em que órfãos palestinos não pensarão duas vezes em se alistar nas fileiras da facção

Ferido e ensanguentado, o palestino foi amarrado ao capô de um jipe militar de Israel. O carro desfilou pelas ruas de Wadi Burqin, uma área próxima à cidade de Jenin, na Cisjordânia. O suposto atirador teve o socorro médico negligenciado e foi forçado a se transformar em escudo humano. O vídeo com o flagrante viralizou nas redes sociais, choca, perturba, incomoda e revoltou até mesmo os Estados Unidos, aliados históricos — e talvez não mais incondicionais — do país judeu. Enquanto isso, os bombardeios incessantes, as mortes de civis e a destruição na Faixa de Gaza prosseguiam, com a imposição do horror, do medo e da fome a cerca de 2 milhões de palestinos acuados, sem terem para onde ir e confinados em uma prisão a céu aberto.

Violações sistemáticas dos direitos humanos, crimes contra a humanidade e crimes de guerra somente trarão, ao longo do tempo, dor, vingança e ódio descomunal. A guerra de Benjamin Netanyahu contra o movimento terrorista Hamas é irracional, burra e contraproducente. Em vez de destruir o grupo, tudo o que Israel tem feito foi sublinhar a própria existência do Hamas, na medida em que órfãos palestinos não pensarão duas vezes em se alistar nas fileiras da facção para retaliar a campanha sangrenta de Netanyahu.

Forças israelenses amarram palestino ferido a jipe na Cisjordânia | Foto: CNN Brasil

À medida que a guerra se arrasta, o chefe de governo é empurrado para a própria armadilha. Nos últimos dias, o porta-voz das Forças de Defesa de Israel (IDF), Daniel Hagari, e o conselheiro de Segurança Nacional, Tzachi Hagnebi, chegaram a uma conclusão óbvia: o Hamas é uma ideia, e ideologias não podem ser destruídas. Ainda que também seja um grupo que arregimenta milhares de palestinos para cometerem atentados e massacres abjetos, como o de 7 de outubro. 

Talvez Netanyahu não perceba que seu governo está acabado. Depois de fracassar miseravelmente ao não evitar a matança no sul de Israel, ele ignorou os códigos de ética e conduta em uma guerra e se afundou em um conflito sem vencedores. Nesta terça-feira, uma decisão da Suprema Corte de Israel sobre o recrutamento de judeus ultraortodoxos pode ampliar a pressão sobre a coalizão do governo — formada por ultraconservadores e religiosos. 

Nesse caso, Netanyahu estaria sozinho, perderia o comando de Israel e seria obrigado a prestar contas à Justiça. Passou da hora de todos os esforços da comunidade internacional serem envidados na direção da criação do Estado palestino. A Armênia acaba de

Fonte: Correio Braziliense

Os comentários estão desativados.