Rogério Marinho emplaca Fábio Dantas na FEMURN para preparar dobradinha Senador e Deputado Federal em 2022

Em poucas atividades profissionais – virou um meio de vida para muita gente – o sujeito pode ir tão rapidamente do céu ao inferno, ou vice-versa.


O hoje ministro de Bolsonaro, Rogério Marinho, sabe bem disso. 
Ele perdeu a reeleição para deputado federal no último pleito, em grande parte por estar queimado com os trabalhadores brasileiros, no geral, e potiguares, no particular, por ter sido o relator e principal articulador da famigerada Reforma Trabalhista, que foi muito boa para os patrões, mas terrível para a classe trabalhadora.

Rogério perdeu a eleição, mas saiu com a fama de hábil articulador entre seus pares. Tal fama fez o presidente Bolsonaro o requisitar para sua equipe de governo, acatando sugestão do então amigo de ambos, ministro Paulo Guedes, hoje inimigo mortal do político potiguar, depois que viu o quanto ele cresceu de estatura política junto ao presidente.

Hoje, Rogério Marinho tem livre acesso ao presidente. Quer falar com o capitão, fale com Marinho.O potiguar sabe que político sem mandato é uma desgraça. A toda hora ficam pedindo sua cabeça, por inveja ou por necessidade de acomodações políticas.Por isso, ele já trabalha 24 horas na construção de sua candidatura ao Senado. O RN terá uma vaga para o Senado ano que vem. Rogério, que conhece a Câmara dos Deputados como ninguém, sonha alto e quer agora ir para o céu do Senado, 8 anos de sombra e água fresca. Para isso, já articula um nome forte para ser o candidato de oposição à Fátima Bezerra.

No dever de casa, articula-se com os prefeitos para solidificar seu nome. E foi buscar outro bom articulador, para a missão.Rogério emplacou o ex-vice-governador Fábio Dantas na diretoria geral da Federação dos Municípios do RN, a FEMURN, que agrega a prefeitada potiguar. Os dois são amigos, confidentes e correligionários há anos, desde os tempos da então governadora Wilma de Faria.

Na FEMURN, Fábio, que sabe fazer política, está trabalhando junto aos chefes de Executivo municipais, tanto do ponto de vista de ajudar na administração das prefeituras, quanto no aspecto político.Se viabilizada a candidatura de Rogério Marinho, com o apoio de grande número de prefeitos, Fábio, que de bobo não tem nada, vai tentar emplacar seu nome para uma das oito vagas para deputado federal. Ser deputado estadual não lhe interessa – sua esposa já está sentada na cadeira, pelo segundo mandato consecutivo. Vice-governador, também não. A Câmara seria de bom tamanho para um menino que um dia desses batia bola de pés descalços na fazenda Olho D´água, sua base familiar e política.A jogada, como se vê é árdua e precisa ser construída dia a dia. Rogério e Fábio sabem disso – e já arregaçaram as mangas das camisas.

Resta saber que o eleitor vai comprar esta ideia vendida por ambos.   

Do Blog de João Maria Freire

Nenhum comentário

Seja o primeiro a comentar o tópico.

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.