Paróquia de Sant’Ana e São Joaquim divulga Plano Paroquial de reabertura da Matriz e capelas

Igreja de São José de Mipibu reabrirá às portas no domingo, dia 16Foto: Nísia Digital

Os padres José Lenilson (pároco) e Rogério Ferreira Barros, juntamente com os membros do Conselho Administrativo e do Conselho Pastoral da Paróquia de Sant’Ana e São Joaquim, apresentaram o Plano Paroquial de reabertura da  Igreja Matriz e capelas, em conformidade com o decreto 02/2020 da Província Eclesiástica do RN, em conformidade com os decretos e normas das autoridades civis e sanitárias.

Segundo o documento, a reabertura da Igreja Matriz para as primeiras celebrações, ocorrerá no domingo dia 16. Já a reabertura das capelas para oração pessoal e oração comunitária do Terço, para a Celebração da Palavra ou Celebração Eucarística, ocorrerá somente, dia 19

IGREJAS ABERTAS PARA A ORAÇÃO PESSOAL DOS FIÉIS

– A Matriz ficará aberta na segunda-feira para o terço dos homens das 18h30min às 20h e de terça a sexta das 16h às 20h30;

– Os animadores vejam algum horário por semana para abrirem as capelas em horário conveniente e conforme a realidade de cada Comunidade;

– Durante a oração, os fiéis não devem tocar no sacrário nem em imagens dos santos presentes na igreja, deverão seguir o protocolo das autoridades sanitárias quanto ao uso de máscara, higienização e o distanciamento.

CELEBRAÇÃO DA SANTA MISSA

Missas na Matriz

Domingos: 7h, 10h, 16h e 19h;

Quartas, quintas e sextas-feiras às 19h;

Observação: Na quinta-feira, após a Santa Missa, haverá adoração e bênção do Santíssimo Sacramento.

NÚMERO MÁXIMO DE FIÉIS para a Matriz: 92 (noventa e dois). Para participar da celebração da Santa Missa, os fiéis deverão procurar a Secretaria Paroquial e dar o seu nome para controle da lotação da Matriz (listagem de controle para cada celebração). Números de contato para marcação: 3272-2236 /9407-9140.

NÚMERO MÁXIMO DE FIÉIS PARA AS CAPELAS: calculado de tal modo que não ultrapasse 30% da capacidade do templo, com a devida distância de um 1,5m entre os fiéis (1,5m nos lados, na frente e atrás). Um esquema de listagem deve ser estabelecido, de modo que favoreça a participação rotativa dos católicos da Comunidade.

NORMAS SANITÁRIAS E DE PRECAUÇÃO

PARA A MATRIZ: sanitização antes da reabertura (e periodicamente) e desinfecção de todos os espaços e superfícies com solução adequada antes e depois de cada celebração; 3 (três) dispensers (totem) com álcool em gel para higienização da mãos na entrada e saída do templo;1(um) aparelho para aferir a temperatura;2(dois) tapetes para desinfecção; portas e janelas abertas; após a celebração, reservar um tempo de pelo menos 30 minutos para o arejamento e higienização de tudo o que foi passível de contato tátil.

PARA AS CAPELAS: desinfecção antes e depois da oração, de todos os espaços e superfícies com solução adequada; álcool em gel disponível na entrada da porta; portas e janelas abertas. Não ligar ventiladores. Após a celebração, reservar um tempo de pelo menos 30 minutos para o arejamento e higienização de tudo o que foi passível de contato tátil

Capela São Francisco de Assis, no Pau Brasil

SINALIZAÇÃO:

Na porta de entrada da Matriz e Capelas, deve ser afixado cartaz (ou placa) com a indicação da quantidade máxima de pessoas que podem estar presentes para as celebrações (vide n. 2).

As cadeiras onde os fiéis se sentarão (conforme o n. 2) devem ser devidamente marcadas com o aviso: “SENTE-SE AQUI”. Caso um genitor leve seu filho poderá tê-lo no colo ou ao lado, porém atenha-se para a criança não ficar circulando entre os bancos. Ninguém poderá ficar em pé ou sentar-se num local que não esteja indicado!

– O piso também deve ser sinalizadopara as “filas” da comunhão e da saída (tenha-se o cuidado para não usar adesivos que danifiquem os pisos, principalmente aqueles históricos). Sugere-se uma fita vermelha ou de outra cor forte, cuidadosamente afixada no piso, para marcar o devido distanciamento.

– Os fiéis devem ser orientados para evitar, o quanto possível, o cruzamento entre si, e jamais devem formar grupos para conversar no templo, incluindo os espaços de imediações da Matriz e Capelas, como a calçada, por exemplo.

USO DE MÁSCARA: É obrigatório o uso de máscaras para todos os fiéis, inclusive leitores, comentaristas, acólitos, ministros e concelebrantes. Ao presidente da celebração da Missa ou da Palavra, estando sozinho no altar ou com a devida distância de segurança, faculta-se o uso ou não da máscara durante o tempo que estiver próximo ao altar. Porém, ao distribuir a sagrada comunhão, todos, indistintamente, devem usar a máscara facial para que os que vão comungar possam retirar a sua com segurança (logo após a comunhão, o fiel repõe imediatamente a sua máscara)

USO DE MICROFONE: seja observado que cada pessoa, durante a celebração, use apenas o seu microfone, que não deve ser compartilhado com outra pessoa; na necessidade de compartilhar o microfone, que este seja higienizado antes e depois de cada uso.

MATERIAL IMPRESSO: Folhetos litúrgicos e/ou folhas de canto não devem ser distribuídos durante este tempo de pandemia;

IDOSOS e outras pessoas do GRUPO DE RISCO:

Preferencialmente participem das Missas pela tevê, rádio ou por nossas redes sociais da PASCOM SÃO JOSÉ DE MIPIBU ou de um perfil da própria capela.

NOTA: qualquer pessoa que apresentar o mínimo sinal de gripe ou qualquer mal-estarnão deve, em hipótese alguma, participar das celebrações nem presidí-las.

NORMAS PARA A LITURGIA: Ficam suspensos, neste tempo de pandemia: o beijo no altar, o beijo no Evangeliário (ou no Lecionário), como também rezar o Pai nosso de mãos dadas e o abraço da paz; os que preparam a credência – sacristãos ou outros – devem usar máscaras e secar sempre os vasos com toalhas descartáveis (papel toalha); cálice e a patena só devem ser descobertos no momento em que o sacerdote tomar nas mãos o pão e o vinho para a consagração. As âmbulas estejam sempre fechadas; no momento da Comunhão, que beba do cálice somente o Presidente da Celebração ou somente o diácono assistente; no presbitério, durante a celebração, só estejam presentes o Presidente e o Diácono (se houver); no caso de concelebração, aproximem-se do altar apenas dois presbíteros.

MINISTROS DA COMUNHÃO: Os ministros distribuam a Comunhão usando máscara, com a devida distância, e sempre na mão do fiel. Antes da distribuição da Comunhão devem higienizar as mãos com álcool em gel. Os fiéis não precisam responder o Amém”ao receber a Comunhão. Os ministros extraordinários da Sagrada Comunhão, idosos e do grupo de risco, neste tempo de pandemia, não devem exercer o ministério.

MINISTÉRIO DE MÚSICA OU GRUPO DE CÂNTICOS: Que sejam observados para os grupos de canto litúrgico a redução do número de participantes e o devido distanciamento entre eles (entre duas e cinco pessoas, no máximo, para cada celebração). Devem higienizar os microfones e equipamentos de contato manual ou corporal, antes e depois.

ACÓLITOS E COROINHAS: Para o serviço litúrgico e de orientação no espaço sagrado (entrada, saída e comunhão dos fiéis) na Matriz, servirão apenas quatro acólitos ou coroinhas, com a devida permissão dos pais. Para as Capelas, apenas um acólito ou coroinha por vez, também com a devida permissão dos pais.

COLETAS: sejam depositadas em urnas ou cestos, ao final da celebração, durante a saída dos fiéis, junto às portas da igreja (Matriz e capelas) e, deve-se deixar, ao lado da urna ou cesto, recipiente com álcool em gel para que os mesmo fiéis higienizem as mãos após fazer sua oferta.

COMUNHÃO AOS IDOSOS E ENFERMOS: os ministros extraordinários ficam autorizados a levar a Comunhão, sempre observando o protocolo das autoridades sanitárias quanto ao uso de máscara, higienização e o distanciamento, e em comum acordo com a família do idoso ou do enfermo.

BATISMOS: Na Matriz:, aosdomingos: 8h, 11h e 16h equarta e sextas-feiras, às 20h;

Nas Capelas: Após a Missa ou Celebração da Palavra;

Na Matriz e nas Capelas, será realizado um batismo por vez, com a presença apenas dos pais, padrinhos, e reduzido número de convidados.

Não haverá contato físico do celebrante com o batizando: no sinal da cruz (deve ser feito diante de cada batizado), as Unções (pré-batismal e pósbatismal) sejam feitas com algodão embebido no óleo.

AGENDAMENTO: na Secretaria Paroquial (números de contato: 3272-2236 /9407-9140)ou com o agente da Pastoral do batismo da Comunidade (no caso das capelas).

MATRIMÔNIOS: observar protocolo das autoridades sanitárias quanto ao uso de máscara, higienização e o distanciamento; na celebração seja restrita a participação e que não seja demorada. As alianças sejam manipuladas somente pelos noivos.

SACRAMENTO DA CONFISSÃO

– Com absolvição individual: quarta, quinta e sexta das 9h às 11h no Centro Pastoral; nas capelas, antes da Missa

 Com absolvição geral (“confissão comunitária”): toda terça-feira às 19h na Matriz; e nas Capelas conforme a possibilidade dos sacerdotes, antes ou depois da Missa.

Nota 1: A confissão geral com absolvição geral (popularmente chamada de “confissão comunitária”) é permitida só em circunstancias extraordinárias. Assim reza o Código de Direito Canônico: “Em casos de grave necessidade, pode-se recorrer à celebração comunitária da reconciliação, com confissão geral e absolvição geral” (CIC 1483). Os Bispos do RN entenderam ser a Pandemia do novo Coronavírus (COVID-19) uma grave necessidade.

Nota 2: Nas duas modalidades observar: uso de máscara (confessor e penitente(s)) e manter o distanciamento.

UNÇÃO DOS ENFERMOS: redobrar os cuidados de higiene, usar algodão embebido no óleo. Os presbíteros não realizem o contato físico no momento da imposição das mãos. Os presbíteros idosos ou com suspeita da covid-19 não devem administrar a Unção.

EXÉQUIAS: Encomendação, sem missae fora das igrejas. Sejam realizadas, preferencialmente nos Centros de Velórioou na porta dos cemitérios ou da casa do falecido, sempre evitando aglomeração e observando o protocolo das autoridades sanitárias quanto ao uso de máscara, higienização e o distanciamento.

CRISMA E PRIMEIRA COMUNHÃO: adiadas para 2021. A catequese seja feita, na medida do possível, através de plataformas digitais (redes sociais e vídeos). Os encontros presenciais de catequese permanecerão suspensos até que seja autorizado o retorno das atividades escolares.

FESTAS DOS PADROEIROS:

– Evitar eventos de aglomeração, tipo “feijoada”, “leilão” e outros. Quando possível realizar a devida transmissão da celebração para quem não puder ir à capela, devido ao número limitado de fiéis.

– Realize-se apenas um Tríduo (três dias preparatórios, mais o dia do padroeiro: quatro dias da festa) com uma lista para que cada fiel da comunidade tenha a graça de participar de uma das celebrações.

REUNIÕES: de conselhos sejam feitas, de preferência, remotamente e na necessidade de acontecer presencialmente, que se observem as orientações sanitárias. Já as peregrinações, romarias, encontros de formação e atividades para grandes grupos ficam suspensos até que se os bispos do RN determinem o contrário.

Nenhum comentário

Seja o primeiro a comentar o tópico.

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.