Escola Estadual Profº Francisco Barbosa não adere às aulas remotas

Os trabalhadores em Educação da Escola Estadual Professor Francisco Barbosa, em São José de Mipibu, após reunião com técnicos da 2ª Direc, reafirmaram que não vão aderir às aulas remotas, posição já adotada, de forma documental, desde o início da pandemia. 

Há alguns meses atrás, a Direc enviou um documento às escolas, indagando se iriam ou não aderir às aulas não-presenciais, dando autonomia às instituições para tomarem a decisão, de acordo com cada realidade. Na época, a maioria dos trabalhadores da escola opinaram pela não adoção das aulas remotas, posição adotada por outras escolas, Estado afora. 

Na tarde de quarta-feira, 5, em reunião com os técnicos da Direc, para apresentar uma nova equipe pedagógica, o assunto voltou a ser tratado.

Novamente, os professores, em sua maioria, ouvidos pela direção, se posicionaram contrários às aulas por meios eletrônicos, afirmando que elas seriam ainda mais prejudiciais aos alunos, uma vez que a maioria não tem meios de acesso eletrônico. 

Sobre o assunto, a própria governadora já opinou que é complicada adoção deste tipo de aula, pelos mesmos motivos alegados pelos educadores da escola mipibuense que, aliás, não é a única no estado e no país a não ter adotado as aulas remotas. 

Até mesmo nas escolas particulares, onde os alunos tem um poder aquisitivo melhor, as aulas remotas vem sendo questionadas, com os pais depondo sobre a ineficácia das mesmas para o aprendizado do aluno, se constituindo apenas numa forma das instituições privadas justificarem a prestação do serviço, para poderem cobrar as mensalidades.

COMPREENSÃO

Os educadores da Escola Francisco Barbosa esperam contar com a compreensão de pais e estudantes, e afirmam que o momento é de esperar o recuo da pandemia do coronavírus, para a volta das aulas normais, quando então o trabalho será restabelecido em pé de igualdade para todos os alunos. Com as aulas remotas, alguns poucos alunos tendo acesso a elas, e outra maioria sem ter como acompanhar, a discrepância para o trabalho pedagógico seria mais um outro problema para a retomada do ano letivo.

A questão das aulas remotas vem sendo questionada em todo o país. Além da falta de condição para que os alunos tenham acesso às mesmas, há o fato de que os próprios professores não foram devidamente capacitados para poderem ministrar as aulas eletrônicas.( Do Blog João Maria Freire)

1 Pessoa comentou
Rosevaldo Pinho

Posicionamento condizente com a realidade da cidade, considerando a falta de infraestrutura lógica e igualitária para que os alunos acompanhem as aulas.

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.