CARNAVAL EM JARDIM

Valdívia Costa - Jornalista e cronista de Jardim do Seridó /RN

As charangas não passaram este ano. E o Carnaval se calou, perante a frágil saúde humana. As ruas de Jardim devem estar mortas de saudades, suspirando. Mas as vivas lembranças pululam nas memórias dos jardinenses.


Daquele vai-e-vem danado de gente alegre, que só vive atrás de diversão. Mesmo assim em silêncio, Jardim relembra os “bons e velhos carnavais”, exala cheiro de bugari com cerveja. Uma cidade que ama o Carnaval, sem ser Olinda, é Jardim do Seridó.


Em seu maior ápice de visitação, ouvi pela rádio Cabugi, a uns anos atrás, que num único dia de Carnaval, o Mangueiral recebeu mais de 5 mil participantes (numa cidade de cerca de 12 mil). Essa multidão ainda descia pela Avenida Dr. Fernandes em busca do Canal atrás de frevo.


Mas vejo fotos de carnavais da década de 30, 40, em que, mesmo sendo provinciana e cheia de “moral e bons costumes”, Jardim do Seridó já realizava desfiles de blocos irreverentes e de rainhas do Carnaval. 
Meu pai, Zé Bujão, foi um grande carnavalesco. Alguns anos foi Rei Momo, como podem ver nas fotos (acho que da década de 1950), e a gente herdou dele o gosto pela festa.


Lembro dos primeiros “suarês carnavalescos” que fui no clube, a primeira vez que vi um papangu num desfile de blocos… a carreira foi grande! 


Na década de 1990, creio que Jardim viveu os mais criativos carnavais. Eu sei que eu me afundei nos confetes e serpentinas! Os blocos investiram em “carros alegóricos” e aumentaram muito o número de participantes.


Em 1990 inventei de ser “passista” da pequena bateria de 50 músicos do bloco Supapo. Eu e a amiga Vick, de biquini fio dental, num desfile totalmente vibrante, com centenas de pessoas por trás dos cordões, foi emocionante.


Isso era tão incomum que só o bloco concorrente, o Arroxo, tinha algo do nível, a passista das passistas, @tenildesteinel . Para além do moderno fio dental, ela usava adesivos de borboletas nos seios! E dava lapadas de samba na gente, coitadas! 


Claro que não ganhamos por causa dela. E de um carro alegórico todo negro de lantejoulas, com um carnavalesco bronzeado, de sunga preta que arrebatou os jurados! 


Zé Renato, o destaque do carro, o mesmo que criou o bloco, realizou diversos desfiles, desses e das famosas rainhas do Carnaval.


Como esquecer toda aquela extasiante festa? As farras cantantes pelas ruas centrais no raiar de todos os quatro dias, os “arreamentos falsos” nas calçadas das farmácias… tudo era “conteúdo” pra nossas rodinhas de conversas presenciais por meses.


Que bom que vivemos isso, que suamos “atrás de um trio elétrico” pra provar que não morremos, que fomos ver, até o último desfile, o Bloco dos Índios, de Lobim, e os outros. Porque daqui para frente ninguém reinventou ainda a festa.
É o primeiro ano, aliás, que passamos sem parte da nossa cultura.

1 Pessoa comentou
Aécio Medeiros.

A pequena e bela Tenilde casou com um alemão e reside hoje na Alemanha. Despertou muitas paixões de rapazes em Jardim.

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.