Tá descansando, heim, corno véio?

Valério Mesquita

Nos anos 60, a feira livre do Assu era mais desenvolvida e frequentada por feirantes de Angicos, Afonso Bezerra, Augusto Severo e vizinhanças. O misto de Petronilo, um Chevrolet gigante, rodava lotado, cobrindo o mato de poeira, mas à tarde estava de volta. Os feirantes soltavam pilhérias com quem cruzava.

O velho Neo Pinto, morador do sítio Quixabeirinha, todas as tardes, tirava uma soneca no alpendre à beira da estrada. Murilo Caiana, um passageiro presepeiro, gritava sempre: “Tá descansando, heim, corno véio?”. O riso era geral e a viagem prosseguia.

Um dia, o caminhão furou um pneu a poucos mais de quinhentos metros da casa de Neo Pinto. O grito de “corno véio” ainda ecoava no ar. Neo Pinto levantou da rede, apanhou uma espingarda calibre 36 e aproximando-se do caminhão, cumprimentou: “Boa tarde, pessoal!”. Responderam uníssonos: “Boa tarde!”. O velho interrogou: “Eu queria saber quem é o f.d.p. que grita toda vez: ‘Tá descansando corno veio?’. Todo sábado eu escuto isso!”.

E engatilhando a arma: “Fala gente! Quem grita isso?”. Ninguém falou. “Vamos bando de cornos!”, gritou Neo, já irado. “Não tem homem, não?”. Todos olharam para Murilo Caiana, cobrando uma atitude. O engraçado, amarelo de medo, tentou remendar: “Meu patrão, quem falou foi eu… Porém, o senhor entendeu errado. Eu digo assim: Tá descansando, heim, corpo véio?”. E ainda, meio trêmulo, concluiu: “O senhor desculpe. Daqui pra frente, não digo mais nada”. A merda descia no mocotó…

2 Pessoas comentaram
Aécio Medeiros

Saída digna de um brincalhão!

Karlim d'Bee

🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣👏🏼👏🏼👏🏼👍🏻

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.