Rafael mantém candidatura e reage a declarações de Fátima

O presidente estadual do PSB, deputado Rafael Motta, afirmou que mantém a pré-candidatura ao Senado e reagiu a declarações da governadora Fátima Bezerra (PT). Durante encontro do Partido dos Trabalhadores, no fim de semana, a governadora disse que a pré-candidatura de Rafael Motta é  “extemporânea” e beneficiaria o adversário do PT e do PSB, ex-ministro Rogério Marinho (PL), que também é pré-candidato a senador. 

Ontem, Rafael Motta negou que sua pré-candidatura a uma vaga no Senado tenha como implicação política e eleitoral o “benefício” ao ex-ministro. 

“Estou certo de que uma terceira candidatura para o Senado não beneficia alguém em particular, mas sim toda a população”, destacou o deputado federal do PSB. Ele defendeu que os eleitores do Rio Grande do Norte tenham opções e argumentou que o lançamento de mais um nome na disputa não leva a entraves aos aliados do PT, mas sim a garantias de que haverá alternativas aos potiguares. 

“Mais de 50% dos eleitores potiguares já manifestaram que não têm intenção de votar nos nomes postos”, apontou Rafael Motta. 

Por isso, acrescentou, há possibilidade de apresentação de sua pré-candidatura para que a população do Estado faça suas ponderações sobre quem deve ser escolhido para ocupar a vaga no Senado que estará em disputa . 

“As pesquisas mostram que, apesar de serem candidatos há meses, os outros nomes estão estagnados, sem perspectiva de crescimento”, avaliou. 

Para ele, é preciso apresentar um nome que represente a aliança nacional dos petistas com o PSB. “Além disso, não se tem uma candidatura alinhada com a chapa Lula-Alckmin aqui, mesmo ela tendo a preferência do povo do RN na corrida presidencial”, acrescentou. Ele negou que tenha interesse em tumultuar ou criar divisão na base aliada da governadora. “A minha pré-candidatura ao Senado não subtrai, em especial no projeto da governadora Fátima Bezerra, que é minha amiga antes de tudo”, ressaltou. 

Rafael disse não acreditar que a governadora chegue a pedir para os eleitores não votarem nele. “Não creio que ela pedirá para as pessoas não votarem em mim”, destacou. “Pelo contrário: o objetivo é somar no projeto dela, no projeto da chapa Lula-Alckmin e no propósito de manter a cadeira que foi da governadora e hoje é ocupada pelo senador Jean Paul com alguém que tenha o mesmo pensamento ideológico”, comentou.

Mais cedo, nas redes sociais, o presidente estadual do PSB, afirmou “receber o estímulo do povo e acreditar que isso é motivo suficiente para não desistir e continuar” como pré-candidato ao Senado.

Compartilhar em:

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.