Poucas e Boas

Valério Mesquita – mesquita.valerio@gmail.com

Eis, mais dois causos, que foram enviados por Osvágrio Ferreira, pesquisador do folclore político e social do município e nosso leitor.

.

1) A legislatura de 1983 a 1989, ocorreu com mandato tampão, tendo um total de seis anos. Em Lagoa de Velhos isso significou três presidentes de Câmara. O vereador Maclidones Costa exerceu a primeira etapa. O então prefeito Ailton Araújo, mesmo prometendo apoiá-lo, acabou por patrocinar a vitória de outro correligionário. Passados dois anos, Maclidones volta a pedir o apoio do prefeito Ailton à sua candidatura. Em mais uma promessa feita, não concretizada. Ailton acabou por apoiar outro nome do seu grupo político. Resignado Maclidones lançou sua candidatura à presidência da Câmara e procurou o prefeito Ailton. Ao entrar no gabinete foi recebido com largo sorriso e um grande abraço do seu “líder” político, que perguntou: “Já lançou sua candidatura?”. “Sim “, respondeu Maclidones. “Imagino que veio pedir meu apoio”, disse o prefeito. Depois dos últimos “apoios” recebidos que só lhe trouxe derrotas, Maclidones vereador não titubeou na resposta. “Não amigo, dessa vez eu vim lhe pedir que não me apoie. Pode apoiar o outro candidato”. Resultado: Maclidones foi eleito.

2)O ano era 1992, último comício das eleições municipais, nas poucas esquinas da cidade Lagoa de Velhos. Os seus quase 2 mil eleitores se dividiam entre bacuraus e mosquitos. No palanque do prefeito Dedé, um grupo musical entoava a canção “Marcas do que se foi”. Os discursos seguiam, quando o povo começava a se afastar, entrava a banda tocava trazendo o público de volta ao pé do palco. Já quase no fim do evento, chegou a vez de o vereador Titiu discursar. Chegado ao deguste da boa cachaça, concorria ao terceiro mandato, e alguns concorrentes dizia que dessa vez ele não seria eleito. Ele havia sido, na juventude, policial militar e ainda trazia o ranço contra a malandragem. Nessa altura do comício já perdera as contas de quantas doses de pitú havia tomado. O locutor oficial, Gildenor, anuncia o orador: “E agora…. Vai faltar chão. Fala ao povo de Lagoa de Velhos, ele, que está no segundo mandato, nosso vereador Francisco Carvalho “VULGO” Titiu. Fala Titiu!”. O vereador Titiu tomou o microfone e começou o discurso dizendo: “Em primeiro lugar, quero dizer ao locutor que VULGO é a p… que lhe pariu. Que vulgo é coisa de bandido. Em segundo lugar, quero dizer que não estou aqui pra pedir votos pra mim, votem nos meus amigos, porque na minha lista eu já conto com 91 confirmados e tem outro que estou na dúvida”. Ao abrir as urnas, o vereador Titiu obteve 92 votos. Até a dúvida votou e foi eleito em segundo lugar. Coisas do interior.

Compartilhar em:

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.