Poeta e artista visual Pedro Grilo morre em Natal aos 86 anos

Pedro Grilo -Fotos de João Maria Alves

Morreu na manhã desta sexta-feira, 22, o poeta e artista visual Pedro Grilo, aos 86 anos, em decorrência de problemas de saúde que motivaram sua internação nesta semana. O velório do artista foi realizado na Pinacoteca do Estado.

Pedro Grilo nasceu em Natal, em 30 de setembro de 1936, e frequentou a escola até o curso primário. Se tornou autodidata começando a escrever aos quinze anos de idade. Foi pintor de parede e de letreiros comerciais. Se tornou um artista plástico produtivo, cujas obras retratavam a Natal antiga. Realizou inúmeras exposições no Estado com destaque para a mostra realizada, em 2012, na Pinacoteca do Estado.

Criou o jornal O Pitiguari no qual mostrou a sua produção e de outros autores potiguares. Lançou em 2000 o livro “Mel e Cicuta”, que exibe parte de sua obra literária e prosa e poesia. Foi membro efetivo da Academia de Trovas do RN, ocupando a cadeira 35. Integrou a Sociedade dos Poetas Vivos e Afins do RN e a União Brasileira de Trovadores.

O artista chamava atenção pelo seu visual característico: o chapelão e terno branco. Boêmio, estava sempre nas ruas da cidade alta para as suas prosas e trovas.

Da Agência Saiba Mais

_______________________________________________________________________________________________________

Viva Grilo…

Ormuz Barbalho Simonetti

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é image-236.png

Partiu o grande poeta Pedro Grilo, ainda meu parente. Esteve no início desse ano no Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte (IHGRN) me procurando. Estava em reunião e naquele momento não pude atendê-lo. Pedi que ele esperasse e recomendei que lhe presenteasse com uma das nossas revistas. Depois soube pela pessoa que o acompanhava, que ele procurava um catálogo publicado por ele, com diversas de suas pinturas. Infielmente não tínhamos esse catálogo. Como ele expôs na Pinacoteca do Estado do RN, deve ter se confundido. Foi a última notícia que tive dele. Deus o tenha, com seu cajado e chapelão característico.

Viva Grilo…

___________________________________________________________________________________________________________

Adeus, meu amigo Pedro Grilo…

João Maria Alves – Fotógrafo

Acredito que, do andar de cima, sua Arte de cantar e encantar seja reconhecida também pelo talento de pintar. Eis um desabafo de Artista para Artista, o poeta Zé Martins: “Eu fico puto porque algumas pessoas que poderiam valorizar os grandes artistas do Rio Grande do Norte, não fazem nada, não interessa como eles agem fora do palco, não fazem nada por eles, quando digo nada, não estou falando em dar esmola não, estou falando em valorizar o seu potencial artístico, porra!”

Nós temos grandes artistas na música, na poesia, no teatro, nas artes plásticas, no artesanato, na cultura popular, enfim, artistas que fazem a cultura universal, assim como também temos bons intérpretes, também são artistas, que devemos respeitar na mesma intensidade… precisamos tomar posições concretas onde não possamos ficar à mercê dos empresários incapacitados de entender o que é e representa a cultura de um povo, de uma comunidade, de uma cidade, que por sua vez não fazem nada, assim como os empresários e produtores culturais que só, pensam num miserável lucro imediato e querem, imbecilmente promover alguém que não passa do mesmismo diário conservador.

Abram as ideias e valorizem o artista potiguar. Não vou citar nomes para não ser injusto com ninguém, porém, não tenho o mínimo receio citar o multi artista Pedro Grilo como o representante de todos os artistas, do Rio Grande do Norte, que não são reconhecidos nem tão pouco lembrado pelos seus conterrâneos.

Me desculpe os falsos intelectuais, mas parece que nós somos mesmo artistas da terra (como ele diz, minhoca) pois ninguém conhece a gente, ninguém nos vê!

Um abraço poético do Poeta Zé Martins”

Pedro Poeta de Pedra

Alex Medeiros[email protected]


Dos momentos marcantes do meu primeiro emprego, em 1977, no cruzamento das ruas João Pessoa e Princesa Isabel, alguns que não esqueço era quando usava os minutos de folga para tomar café e fumar na calçada do saudoso Café São Luiz. Dali eu vi discursos incendiários de Eri Varela, panfletagens de Glênio Sá e conheci a poesia de Milton Siqueira e a poética sonora de Pedro Grilo. Vislumbrei neles versões tropicais dos malditos Baudelaire e Apollinaire.

Alimentei pelos anos afora uma imagem de ambos como referências maiores da prática artística à margem da própria poesia marginal que minha geração passou a professar naqueles primeiros anos em que Natal ganhou um festival alternativo de artes e uma passeata rebelde no 14 de março, dia da poesia. A fama de Milton de ferir a moral pública e a ruptura de Pedro com a estética eram o que refletia em mim seus espelhos exibindo Baudelaire a Apollinaire.


Pedro Grilo partiu ontem, aos 86 anos, e já deve ter encontrado em algum café Milton, Baudelaire, Apollinaire, Rimbaud, Bosco Lopes, Leminski, Roberto Piva, Torquato Neto, José Bezerra Gomes e tantos outros. Quem sabe levou para todos umas porções mágicas de mel e cicuta, que deram nome ao seu livro que inspirou um poeta da Amazônia a experimentar “bombons de fel”. Abaixo um poema feito para ele quando aniversariou em setembro de 2010: 

Da Poesia para o Poeta  (Lúcia Helena Pereira)

Pedro é nome forte da Bíblia - como pedra! 
É o poeta que sempre canta e decanta poesia!
É sol luminoso sobre o imenso sombreiro
Ou simples boné e chapéu de cangaçeiro.
É tênue luar sobre os montes!

Da poesia para o poeta jorram sinfonias e versos lindos!
É Pedro Grilo, com seu estilo único, voz inconfundível,
Seus gestos displicentes, olhar inteligente e sorriso maroto
Fazendo festa em nossas emoções!

Fiz esse poemeto sem jeito, estrofes desajeitadas,
Tímidas, sem a ressonância musical do poeta,
Quando declama, canta, encanta, seduz e alumia!

Este humilde poema, sem rima, sem beleza,
Como pura explosão de alma,
Pelo aniversário de Pedro Grilo - festejado e louvado –
Vem dizer da Poesia para o Poeta,
Que ele é nosso orgulho, brasão de honra potiguar!

Salve! Ao poeta que faz e diz poesia,
Que chora, canta, brinca e não sai do tom,
O tom poético que já mereceu prêmios,
Que fez belos manifestos na terra de MÁRIO QUINTANA,
Que chegou ao céu, à lua, ao sol, ao vento, aos mares
Carregado por asas brancas de anjos - poetas!
Parabéns, Pedro Grilo, poeta de fina estirpe,
De ricas mensagens, célebres canções,
Do mais erudito ao mais popular,
OH! Grilo, teu nome é POEMA!

Compartilhar em:

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.