Para descontrair

Heráclito Noé – Advogado

Você é a peça que faltava

Um professor passava o fim de semana em sua casa, concluindo sua tese sobre como consertar o mundo. Seu filho, brincando à sua volta, a toda hora solicitava sua atenção fazendo perguntas e tirando-lhe a concentração. O professor, com o intuito de distrair a criança, pegou um cartaz do mapa-múndi, recortou em vários pedaços, transformando-o num quebra-cabeça. Pediu então que o menino montasse novamente, esperando que isso o ocupasse por um bom tempo, o suficiente para concluir o seu trabalho. O menino pegou os pedaços de papel e alguns minutos depois chamou o pai para ver o quebra- -cabeça montado. O professor, admirado com a rapidez do filho, pensou que, no mínimo, o mapa estaria montado errado, mas qual não foi sua surpresa quando constatou que ele estava completo e perfeito. Intrigado com o fato, perguntou ao garoto como ele havia conseguido realizar tarefa tão difícil em tão pouco tempo. O menino explicou: – Pai, você me pediu para consertar o mundo, não foi? Como estava difícil entender aquelas gravuras, resolvi virar as peças do outro lado e percebi que atrás delas havia partes do corpo de um homem. Achei mais fácil consertar o homem do que o mundo. Quando a gravura do homem estava completa, virei o quebra-cabeça do lado contrário e percebi que o mundo havia sido consertado também. Foi fácil! Naquele momento o pai entendeu que, para consertar o mundo, era preciso primeiro consertar o homem. E assim pôde concluir sua tese.

O Florista

Certo dia um florista foi ao barbeiro para cortar seu cabelo. Após o corte perguntou ao barbeiro o valor do serviço e o barbeiro respondeu: – Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana. O florista ficou feliz e foi embora. No dia seguinte, ao abrir a barbearia, havia um buquê com uma dúzia de rosas na porta e uma nota de agradecimento do florista. Mais tarde no mesmo dia veio um padeiro para cortar o cabelo. Após o corte, ao pagar, o barbeiro disse: – Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana. O padeiro ficou feliz e foi embora. No dia seguinte, ao abrir a barbearia, havia um cesto com pães e doces na porta e uma nota de agradecimento do padeiro. Naquele terceiro dia veio um deputado para um corte de cabelo. Novamente, ao pedir para pagar, o barbeiro disse: – Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana. O deputado ficou feliz e foi embora. No dia seguinte, quando o barbeiro veio abrir sua barbearia, havia uma dúzia de deputados fazendo fila para cortar cabelo.

Citação a um falecido

Um Juiz de Uberaba-MG, ao apreciar pedido de reconhecimento da sociedade de fato formulado pela concubina diante da morte do amante, despachou: “Cite-se o falecido para os termos da presente ação”. O oficial devolveu o mandado e, com ironia, afirmou que, após diligencia, soube que o citando, “desde o dia 5 de setembro de 1997, está residindo no Cemitério São João Batista, nesta cidade, à quadra 1, sepultura número 142”. Certificou ainda: “bati, por inúmeras vezes, à porta de citada sepultura no sentido de proceder à citação determinada, mas nunca fui atendido (…) entrei em contato com os coveiros e com o administrador do citado cemitério, sendo informado por todos que tinham a certeza de que o citando se encontrava em sua sepultura, porque viram-no entrar e não o viram sair (..).”

Compartilhar em:

1 comentário

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.