Onze atletas potiguares estarão nas Paralimpíadas de Tóquio

Iniciados na terça-feira (24), os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020, que terão competições até o dia 5 de setembro. A cerimônia de abertura foi realizada no Estádio Nacional do Japão sem público presencial, e teve delegações reduzidas em virtude da pandemia de covid-19.

O mundial desportivo para pessoas com deficiência será realizado, de 24 de agosto a 5 de setembro, e a delegação do Rio Grande do Norte tem seis competidores, incluindo um atleta-guia. Mas o evento contará ainda com mais cinco potiguares que representam outros estados.

Além disso, o técnico de halterofilismo Carlos Williams também foi convocado para representar o RN na comissão técnica da seleção da modalidade. Cada um participa da Sociedade Amigos do Deficiente Físico (Sadef-RN) ou da Associação dos Deficientes Visuais do RN (Adevirn).


Joana França
Natural de Natal, Joana Neves, 34 anos, começou a nadar por recomendação médica em 2003 aos 16 anos. Joaninha ou Peixinha conquistou quatro medalhas de ouro no Para-Pan de Guadalajara, no México, em 2011; medalha de prata nos Jogos Paralímpicos de 2016, no Rio de Janeiro; medalha de bronze nos Jogos Paralímpicos de Londres, 2012, representando o país na categoria 4×50 livre misto. Tem ainda outras nove medalhas, sendo dois ouros, duas pratas e cinco bronzes distribuídos nas edições dos Mundiais de 2013, 2015, 2017 e 2019. Em 2020, conseguiu ser eleita Melhor Nadadora Paralímpica do Brasil no Troféu Best Swimming.

Júnior França
Também, de Natal, o halterofilista Júnior França tem 25 anos de idade e vai para a sua primeira Paralimpíada. É atual campeão e recordista Junior na Categoria até 59kg (México) e atual campeão e recordista, brasileiro das Américas e Parapan-americano. A melhor marca atual é 151kg.

Ana Raquel
A ciclista Ana Raquel Lins, de 30 anos, vai para a segunda participação dela nos Jogos, mas a primeira foi por outra modalidade modalidade – ela disputou o triatlo em 2016. No Campeonato Brasileiro de Paraciclismo de Estrada, em São Carlos, 2018, voltou com duas medalhas: ouro e prata.

Arthur Silva
Hoje, com 29 anos, Arthur Silva ficou cego aos 18 e encontrou no judô um propósito de vida. É a segunda vez que vai aos Jogos Paralímpicos. Chegou ao pódio no último campeonato mundial e está entre os 10 melhores judocas do mundo em sua categoria (até 90 kg).

Thalita Simplício
Thalita Simplício (atletismo) concorre junto com seu atleta-guia Felipe Veloso. Ela ganhou prata nos Jogos do Rio, em 2016, e foi campeã de atletismo paraolímpico na prova dos 400m – classe T11 durante competição internacional em Dubai, em 2019. A atleta praticou diversos esportes, dentre eles natação, karatê e goalball. Iniciou no atletismo aos 15 anos, por meio de um projeto do Comitê Paralímpico Brasileiro.

Completam a lista de potiguares, aqueles que representam atualmente outras estados: Romário Marques (golbol), Cecília Araújo (natação), Jardênia Félix (atletismo), Petrúcio Ferreira (atletismo) e Adriana Azevedo (canoagem).

Ao todo, a missão brasileira contará com 431 pessoas, sendo 255 atletas (incluindo atletas sem deficiência como guias, calheiros, goleiros e timoneiro) representando o país em 20 modalidades.

Compartilhar em:

1 comentário

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.