O que levou os comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica entregam os cargos

Foto: oantagonista.com

O motivo que levaram os comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica a entregar seus cargos, foi a interferência do presidente Bolsonaro, com as declarações dos últimos dias, sobre o uso político das Forças Armadas.

A decisão irrevogável foi tomada nesta terça-feira (30), em reunião com o novo ministro da Defesa, Walter Braga Netto.

Logo após a reunião, Edson Leal Pujol (Exército), Ilques Barbosa (Marinha) e Antônio Carlos Bermudez (Aeronáutica) decidiram sair juntos, numa decisão inédita.

O Antagonista revelou ontem, que o comandante do Exército Edson Leal Pujol convocou uma reunião do Alto Comando logo depois do anúncio da saída do Ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva. Na conversa, os generais avaliaram que suas permanências não era mais possível, diante das manifestações públicas de Bolsonaro.

O comandante do Exército, Edson Pujol comunicou sua decisão aos demais comandantes, que resolveram manter a unidade de ação que caracterizou a gestão de Azevedo e Silva com as demais Forças.

Na reunião, o recém empossado Ministro da Defesa, Braga Netto, ofereceu a Pujol a possibilidade de indicar um substituto e tentou dissuadir Barbosa e Bermudez, mas não foi possível. Todos demonstraram descontentamento com a mudança no Ministério da Defesa e deixaram isso claro ao novo ministro.

Braga Netto alegou que não haveria mais interferência do presidente, mas ninguém se convenceu. O clima ficou tenso, com críticas explícitas ao uso político das Forças Armadas.

1 Pessoa comentou
Gilvaldo

Como disse o vice presidente da República, os novos comandantes devem ser indicados por antiguidade, caso contrário, a desgraçada está armada.

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.