TCU trava obras da Codevasf em 10 estados; municípios do RN que esperavam o asfalto saem prejudicados

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) que suspenda uma série de obras de pavimentação, após a estatal reconhecer que parlamentares escolhem até os tipos de asfalto a serem utilizados nos serviços. A Corte apontou a ação política e falta de critérios técnicos nas licitações, após uma série de reportagens da Folha de São Paulo ter revelado como atua a estatal, entregue por Bolsonaro a aliados do Centrão.

Segundo reportagem da Folha, a área técnica do TCU verificou que, “sem qualquer fundamentação expressa”, políticos indicam quais vias devem ser revestidas e qual “empresa e/ou contrato/pregão específico que deve ser utilizado para executar a obra”.

A decisão do TCU impede a emissão de novas ordens de serviços em contratos feitos a partir de 29 pregões eletrônicos lançados em 2020. Estas licitações permitiriam a execução de “contratos guarda-chuvas”, que podem somar até R$ 622,15 milhões.

Acesso ao conjunto Bosque das Colinas, em Taborda, será prejudicado com a determinação do TCU? Foto: Nova Parnamirim Notícias

Segundo a Folha, a suspensão das obras foi pedida para dez estados (AP, BA, AL, PE, SE, MG, TO, PI, MA, RN e no DF), até que a Codevasf prove que implementou estudos sobre a vantagem técnica e econômica do tipo de revestimento escolhido, além de análises sobre a necessidade das pavimentações.

Compartilhar em:

1 comentário

  • Santiago Nunes Dos Santos Filho disse:

    Se eram contratos feitos dessa maneira descrita na reportagem REALMENTE não tem lógica político tá interferindo na qualidade do material a ser aplicado..

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.