Jornalismo com ética e coragem para mostrar a verdade.

junho 23, 2024

JUNHO

Ana Cláudia Trigueiro – Psicóloga e Escritora Todo período junino preparo um mungunzá salgado com charque, queijo de coalho e pimenta de cheiro, que fica a molesta de bom! Virou tradição.

Ana Cláudia Trigueiro - Psicóloga e Escritora

Todo período junino preparo um mungunzá salgado com charque, queijo de coalho e pimenta de cheiro, que fica a molesta de bom! Virou tradição.

Mamãe fazia um cuscuz sertanejo que a gente comia de joelhos, de tão delicioso! Depois que ela faleceu, meu mano assumiu o compromisso de fazer para nós.

Minha sogra está animada. Aos 82 anos, prepara a melhor canjica do mundo! No domingo estaremos na casa dela. Levarei uma garrafa de café de 2 litros, porque comida junina raiz é regada a café.

Para o nordestino, junho é especial. Em vários pontos das cidades, você encontra o milho verde, que acabou de ser colhido, cozinhando em caldeirões, ou assadinho em fogareiros e vendido aos fregueses que voltam do trabalho.

Todos participam de, ao menos três encontros juninos: o da família, o do trabalho, o dos amigos, além dos escolares e o das ruas de casa...

Para os que não vivem essa tradição como nós, pode parecer que tudo se resume a comer milho de diferentes maneiras, rs. Mas, na verdade, é tempo de celebrar.

Por exemplo, o passado dos sítios, das fogueiras, dos rodamoinhos que o vento fazia nos terreiros do sertão. Celebramos as colheitas, as chuvas, as estrelas...

A sanfona, o zabumba e o triângulo embalam essa festa maravilhosa e acompanham o nosso rei, que canta: "Olha pro céu, meu amor, vê como ele está lindo..."

Os comentários estão desativados.