JEITINHO BRASILEIRO: Exército mudou status militar de Bolsonaro para permitir matrícula da filha

O Exército tratou Jair Bolsonaro como capitão da reserva, e não como capitão reformado, para permitir a matrícula excepcional da filha do presidente no Colégio Militar de Brasília. Laura Bolsonaro, 11, ingressará na unidade de ensino, sem processo seletivo, no ano letivo de 2022.

Um militar da reserva pode, em tese, ser chamado para missões nas Forças Armadas. A reforma, por sua vez, significa uma aposentadoria, e ocorre por fatores como idade ou invalidez.

As fichas de remuneração dos militares, disponíveis no portal da transparência do governo federal, fazem uma distinção clara entre quem está na ativa, na reserva ou foi reformado.

Para permitir a matrícula excepcional da filha de Jair Bolsonaro (sem partido), Laura Bolsonaro, de 11 anos, no Colégio Militar de Brasília, o Exército considerou que o presidente seria um capitão da reserva, e não reformado. As informações são da Folha.

Laura deve ingressar no Colégio Militar a partir do ano letivo de 2022, sem ter passado por um processo seletivo, como é regra na unidade de ensino. O processo que envolve sua matrícula foi colocado em sigilo pelo Exército até o fim do mandato do presidente, ou de um eventual segundo mandato também.

Folhapress

Compartilhar em:

2 Comentários

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.