Homem adiante do seu tempo, Aluízio modernizou o Rio Grande do Norte

Neste 11 de agosto, o saudoso governador Aluízio Alves, completaria 100 anos de idade. Publicamos o texto do Blog Território Livre, em homenagem a um dos grande líderes políticos do Rio Grande do Norte.

Lincoln Gordon: – Um dos projetos no Nordeste, por exemplo, acho que deveríamos fazer avançar. Existem alguns Governadores: Governador do Rio Grande do Norte…Eu não acho que ele encontrou você, Aluízio Alves, mas ele viu todo mundo na cidade. Ele esteve aqui há cerca de três semanas. É um grande companheiro…

John F. Kennedy: Este é o Vicente…não é o Rio, é?

LG – Rio Grande do Norte

JFK -Este é o Rio?

LG – É um pequeno Estado do Nordeste.

JFK – Oh, entendo. Não, eu não o vi.

LG – É um pequeno Estado do Nordeste. É um cara de 40 anos, enérgico como pode ser, não é um demagogo, honesto, Ele é…

JFK – Quão fortes são os comunistas lá?

LG – Como tal, o partido é fraco.
Depois de breve pausa, o Embaixador voltou a falar na importância de Alves para os Estados Unidos.

JFK – Existe um grande desânimo no Brasil entre os moderados?

LG – Ah, eles não estão desanimados a ponto de desistir. Eles estão muito infelizes. A forma como como essa crise política foi tratada foi extremamente ruim. Não, um sujeito como Aluízio Alves quer organizar um Centro forte, ligeiramente à esquerda, E, eu acho, devemos apoiar isso absolutamente, ao máximo.

RN ALÉM FRONTEIRAS

Este diálogo do Presidente dos Estados Unidos com seu Embaixador no Brasil, ocorreu no dia 30 de Julho de 1962, no Gabinete Oval da Casa Branca, em Washington, colocou o Governador do Rio Grande do Norte na agenda do homem mais poderoso (e ocupado) do mundo por quase meia hora.

Ou, exatos, 28 minutos, conforme gravação localizada nos arquivos do Departamento de Estado pelo jornalista potiguar Paulo Nascimento, para uma (excelente) reportagem postada no blog Intercept Brasil, publicada com o título “O Amigo Americano”.

Você imaginou Joe Biden, dedicar meia hora do seu expediente a nossa governadora Fátima Bezerra? Ou Donald Trump fazer o mesmo com Robinson Faria? Ou Barack Obama querer saber quem era Rosalba Ciarllini? Ou, ainda, Bill Clinton com Wilma de Faria?

COMPARAR E ENTENDER

Evidentemente que o contexto mundial era outro.

Em 1962, o mundo vivia o clímax da guerra fria.

Aquele mundo estava ligado no confronto diário de Estados Unidos X União Soviética. Capitalismo X Comunismo. Kennedy X Kruschev. Isso tudo sem a alternativa de uma 3ª Via. – A comparação do governador Aluízio Alves com seus pósteros não desmerece nenhum deles.

Em termos de América Latina, Cuba havia rompido com os americanos e se tornado aliada dos russos. No Sudoeste Asiático, os dois Vietnam (do Norte e do Sul) iniciavam uma guerra para conter os comunistas do Norte com os EEUU bancando a ditadura do sul, para impedir o avanço vermelho.

Em 1960, o Nordeste do Brasil, miserável e subdesenvolvido, se tornava uma área problema de dimensão global pelo perigo de fazer uma revolução comunista (como a de Cuba), a partir das Ligas Camponesas de Francisco Julião e da eleição do socialista Miguel Arraes para governar Pernambuco.

Mas esse Nordeste tem nove Estados e o Embaixador norte-americano, levou só um nome de Governador ao seu Presidente, justamente o do Governador de um dos seus menores Estados, Aluízio Alves, cujo centenário de nascimento é comemorado hoje.

MAIOR QUE O ESTADO

Essa gravação da conversa de Kennedy e Gordon, feita em julho de 1962, (aqui reproduzida) procura mostrar a dimensão de Aluízio e a do RN que ele governou.

Para mostrar essa relação, falando para estudantes, eu costumava contar uma pequena história do cotidiano.

Começava, com uma provocação: – Você sabe qual o primeiro escândalo do Governo Aluízio Alves? – E apresentava uma edição do “Correio do Povo”, jornal da oposição, de propriedade do senador Dinarte Mariz: “Governador compra ar refrigerado para o seu Gabinete”, e publicava a cópia da nota fiscal da firma vendedora, Jota Resende.

Ou seja: o que hoje é comum as casas da classe média-média, há 50 anos era um “escândalo” ter no Gabinete do Governador do Estado, mesmo com o clima calorento como o do RN, esse equipamento, que já havia chegado as empresas maiores aqui sediadas, mas não as repartições estaduais.

INOVAR E MODERNIZAR

O que melhor pode definir Aluízio Alves é que ele, no Governo, iniciou o processo de modernização do Rio Grande do Norte. Aluízio liderou esse processo em diferentes posições que ocupou. Ele foi um inovador.

Político, Aluízio se elegeu Deputado Federal (Assembleia Constituinte), em 1946 e mais quatro mandatos. Foi Ministro de Estado (Governos Tancredo Neves/José Sarney e Itamar Franco). Em Natal, fundou a Tribuna do Norte e a TV Cabugi (hoje Intertv).

No Governo do Estado recebeu uma estrutura carcomida e liderou verdadeira revolução, começando por incluir o planejamento na administração estadual como prática de governo, o que permitiu ser o primeiro parceiro do Governo Kennedy (Aliança Para o Progreso) no NE do Brasil, tendo criado o primeiro Plano de Desenvolvimento do RN.

Resumindo: Aluízio, nascido há 100 anos, foi um homem adiante do seu tempo.

Do Blog Território Livre

Nenhum comentário

Seja o primeiro a comentar o tópico.

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.