Casas e casarões de São José de Mipibu (12)

São José de Mipibu tem uma rica história marcada por fatos exclusivos em seu crescimento como centro social urbano e por “épocas de ouro” que o colocaram no centro do foco das autoridades da Capitania do Rio Grande, criando períodos de grande prosperidade e riqueza.

Quando, no começo do século XIX, o processo de urbanização se acelerou, começaram a surgir as construções mais suntuosas, além de casarões, foram construído dois sobrados avarandados que abrigavam as famílias da elite.


O município expandiu-se em praticamente em todas as direções, tornando-se um dos principais polo canavieiro do estado, com destaque para as dezenas de engenhos que funcionavam na moagem da cana e produção de rapadura, melaço, açúcar e cachaça, incrementando sua economia.

No total, o município contabilizou 32 engenhos. A atividade dos engenhos colocou o município em destaque na província do Rio Grande e fez dos anos 1800 o que se classificou como o “século de ouro” de São José de Mipibu, devido a sua grande e influente aristocracia rural composta pelo que de melhor existia na política e sociedade potiguar da época.

A forte economia do município gerava dividendos positivos para a cidade e impulsionava seu desenvolvimento, chegando mesmo a ser estimulada a possibilidade de transformar São José de Mipibu na capital da província do Rio Grande.

Foto antiga do sobrado (arquivo Lúcia Amaral)
Foto nos ano 90 (Arquivo: Lúcia Amaral)

Embora o município, ao longo desses anos, tenha perdido parte de seu patrimônio arquitetônico (grande parte foi reformada e/ou demolida) e muito de seus registros históricos, São José de Mipibu tem em seus casarios coloniais o marco de uma época em que vivia seu apogeu como um dos mais prósperos municípios do Rio Grande do Norte, com uma sociedade ruralista.

O centro histórico de São José de Mipibu é marcado pela presença acentuada de casarões do período
colonial. De propriedade particular, os casarões precisam passar por processos de tombamento para garantir a proibição de demolições ou desfiguração a mais do que já foi feito ao longo do tempo.

Para isso é importante que a Secretaria Municipal de Cultura desenvolva ações neste sentido. Um exemplo é esse centenário sobrado, localizado na praça Desembargador Celso Sales, que poderia ser um museu ou um memorial da cidade.

Deveremos preservar a memória de tempos áureos da cidade, que ainda permanece viva nos casarios da cidade.

Compartilhar em:

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.