Casas e casarões de São José de Mipibu (16)

Essa é a Casa Grande do Engenho Olho D’água, em São José de Mipibu. Atualmente é residência do ex-prefeito, Arlindo Duarte Dantas. Ele restaurou os antigos prédios do engenho e mantém até hoje, conservados.

Em breve, o engenho, que fabrica a cachaça Mipibu, será aberto, juntamente com o Museu da Cachaça, para visitação e comercialização da famosa aguardente, que já ultrapassa as fronteiras do país.

Vamos conhecer um pouco da história desse engenho, onde a Casa Grande conserva o madeiramento, piso, móveis, louças e fotos da época, num passeio ao passado da cidade.

Em dezembro de 1773, na Vila de São José do Rio Grande do Norte, atual cidade de São José de Mipibú, o português Miguel Ribeiro Dantas, oriundo de Antas, em Portugal, fundou o Engenho Olho D’água, fabricando inicialmente açúcar mascavo, mel de engenho, rapadura e cachaça.

A cana de açúcar, colhida na própria propriedade era esmagada no engenho de madeira chamado “banguê” e movido à tração animal – hoje, existe uma réplica no local. O açúcar fabricado era destinado ao mercado europeu, a rapadura para o mercado interno, o mel de engenho para ração animal e a cachaça para estimular o trabalho escravo.

Em 1774, foi construída a Casa Grande do engenho Olho D’água e reformada em 1861. Com o constante crescimento da indústria açucareira, em meados do século XIX, Joaquim Silvino importou da Europa um moderno maquinário e montou na casa do engenho a recém adquirida moenda impulsionada a vapor de caldeira em substituição à primitiva engenho.

Desenvolvida pelo Sr. João Berckmans de Salles Dantas, a cachaça “Olho D’água” tornou-se famosa pela pureza e boa qualidade.

Em 1998, o atual proprietário Arlindo Dantas, na busca do resgate de suas raízes restaurou o maquinário importado da Europa, em 1882 por seu avô paterno, ainda em bom estado de conservação, instalando as antigas moendas, agora impulsionadas por motores elétricos, voltando a produzir a famosa cachaça que por mais de duas décadas teve sua produção interrompida, agora retornando o processo com o nome Cachaça Mipibu.

Há pouco tempo, funcionava no engenho, o “Forró do Olho D’Água”, que resgatava a cultura popular num autêntico forró pé-de-serra, além do local servir de recepção de aniversários e casamentos.

Em breve, São José de Mipibu irá ganhar o Museu da Cachaça, nas dependência do engenho.

Compartilhar em:

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.