A ira Divina recai sobre o RN

Nadja Lira – Jornalista – Pedagoga – Filósofa

O homem das cavernas acreditava que, a cada vez que Deus ficava irado, os castigava enviando a Terra furacões, vendavais, terremotos, raios e tufões. Os raios, aliás, eram considerados como a expressão máxima da cólera divina e por isso, Benjamin Franklin, inventor do para-raios, foi condenado pela Igreja Católica sob a acusação de impedir que os castigos de Deus caíssem sobre os homens. A história conta que o Frances, Vissery de Bois foi processado por heresia, no século XVIII, por ter instalado um para-raios em sua casa.

Se considerarmos as crendices do homem das cavernas, observaremos que a cólera de Deus vem sendo despejada sobre algumas regiões pelo mundo afora, ao longo dos séculos: Desse modo, sua ira recai sobre países como o Chile, através de terremotos; sobre a Colômbia, cuja população padece com a fúria corrente de lavas vulcânicas, enquanto a população dos Estados Unidos é castigada com furacões, terremotos e atentados terroristas.

Como o Brasil não sofre com esse tipo de catástrofe natural, poderíamos afirmar que o povo brasileiro está livre da ira celestial e talvez seja justamente por isso que nos habituamos a afirmar que Deus é brasileiro e passa as férias no litoral potiguar. Contudo, se alguém imaginar que o fato de não sofrermos com essas catástrofes naturais significa que Deus não tem descarregado sua cólera sobre o Brasil está redondamente enganado.

O Estado do Rio Grande do Norte, por exemplo, não tem em sua história qualquer registro de ter sido vitimado por grandes vendavais, tufões, terremotos, ou outras desgraças do gênero. Entretanto, uma região que conta com uma administradora da estirpe de Fátima Bezerra não precisa ser submetida a outro tipo de tortura. Não há dúvida de que, a presença dessa criatura no comando do governo, nada mais é do que a encarnação da cólera divina sobre o nosso povo.

O recado para mim, que sou temente a Deus, é muito claro: estamos sendo punidos porque votamos errado. A mensagem que Deus nos envia é a de que escolhemos mal o nome da governante e vamos pagar um alto preço por nosso erro. O povo potiguar deverá amargar por quatro longos anos, o castigo que o próprio eleitor escolheu: sofrer nas mãos impiedosas dessa mulher insensível, que está levando a população potiguar à mais profunda miséria.

À governadora do RN falta classe, o que pode ser observado desde os tempos em que ela era Senadora. Ela decidiu assumir a cadeira do Líder do Senado contrária à uma votação e ali devorou um pedaço de carne como faziam os homens da caverna. Na condição de professora, ela esqueceu de usar os talheres adequadamente, preferindo rasgar a carne com os próprios dentes, sob as lentes de diversas emissora de Televisão de âmbito nacional.

Também não leva em consideração o ambiente em que se encontra e limpa o nariz sem se importar com o nojo que sua atitude provoca aos que se encontram ao seu redor.

Penso que o castigo poderá ser pior, porque ela pensa em reeleição, o que deixará a situação do povo potiguar ainda pior do que a do povo do Egito, porque eles só receberam sete pragas. Nós, pobres norte-rio-grandenses, iremos amargar 888 pragas, correspondentes a oito anos de um governo desastroso.

Só nos resta, portanto, fazer muita oração, jejum, celebrar missas em ação de graças ao anjo da guarda dela, fazer promessas para São Judas Tadeu e Santo Expedito – os santos das causas impossíveis – enfim, fazer muita penitência para que o Todo Poderoso tenha piedade da nossa desdita e não permita que ela seja reeleita. Mas, a criatura não tem quem lhe faça oposição!

Compartilhar em:

4 Comentários

  • Carlos Antonio Soares da Silva disse:

    Se essa premissa ser verdadeira, nao pessoal, estamos sobre a guarda do coisa ruim, pois desde a chegada do coiso ao Planalto, as catástrofes se abateram sobre a Nação a perder de conta, brumadinho, pandemia, vendavais, enchentes e toda gama de maldade em detrimento ao povo brasileiro. Vivemos 500 anos sob a submissão de uma minoria aristocrata, discriminatória e escravagista. Não é atoa que somos taxados com “complexo de viralatas.” Me entristece certas opiniões simplistas, sem uma análise mais ampla dos problemas, especialmente sobre nosso querido RN, um Estado pobre, espoliado por anos e anos por uma elite oligarca metida a rica, mas que de rica não têm nada. Contudo, ainda bem que o artigo expressa apenas o pensamento da autora, nossa amiga e irmã. Respeito.

  • Vanda disse:

    Nadja Lira. Sua crônica é genial. Parabéns . Tomo a liberdade de dizer que, as pragas sofridas pelos norteriograndenses são históricas. Somos vítimas de uma sequência de administradores sem projetos político, econômico, social e cultural que fundamente a ação para a administração do Estado. As agremiações partidárias sempre são formadas para benefícios de poucos. A população por não ter formação política, cultural não enxerga a perversa estrutura política. A Governadora não é somente ela, a culpada pelo atraso e pelas pragas que sofremos. E tão pouco sua compostura. É o de menos. Acredito ser o voto mal dado . A perpetuação de grupos no poder concentrando as decisões do destino do nosso estado, é sim, nossa praga maior. Urge fazer a reforma política para democratizar as tomadas de decisões para solucionar os problemas do nosso RN. Podemos não sofrer tragédias naturais. Mas a educação é ainda a maior delas . Pois ,ainda não alcança seus resultados desejados. E sem educação de qualidade, o povo continuará pensando que política é troca de favores. E o jogo político minando novas lideranças para alternar e ampliar outras visões de administradores para o Estado. Especialmente em tempos virtuais.

  • Didi Avelino disse:

    Um artigo (ou seria crônica do “fim do mundo”?) como este, traduz, materializa todo o ódio e preconceito às esquerdas, especialmente, ao partido que desde o seu nascedouro se opõe ao domínio das oligarquias nefastas, cujos porta-vozes se encarregam de dinamitar qualquer política pró-ativa que pretenda se opor à “ordem, secularmente, estabelecida”.
    Contudo, saudemos à democracia, à liberdade de opinião, afinal, mais triste e desalentador seria se não houvesse o sempre saudável contraditório. Julgar, por mais sábio que se faça, requer um mínimo de sensatez e generosidade.

  • Haroldo Miranda disse:

    Será que essa esquerda maldita não vem alterando as urnas eletrônicas para ganhar eleição? Vemos agora que é fácil fazer isso, e eles são capazes de qualquer coisa.

Entre na discussão!

Fique tranquilo, seu email está seguro.