Dia: 21 de julho de 2021

PM prende quadrilha que roubava animais em propriedades rurais no RN

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é image-283.png
Foto: Kleber Teixeira/Inter TV Cabugi

A Polícia Militar do RN encontrou 13 ovelhas e bodes dentro de um carro de passeio e prendeu oito homens suspeitos de furtos e roubos em granjas, sítios e fazendas de diversas cidades da região metropolitana de Natal, entre elas, São José de Mipibu.

O caso aconteceu na madrugada desta quarta-feira (21) na comunidade rural, Rio dos Índios, em Ceará-Mirim. Segundo a polícia, os presos também são suspeitos de assaltos em outros municípios da região, como Macaíba e São José de Mipibu.

Na abordagem, dois carros foram parados pela equipe da Companhia Independente de Operações e Patrulhamento Rural (Ciopar). Com os suspeitos, além dos animais, os policiais encontraram armas e produtos como roupas e até alimentos roubados de propriedades rurais.

Os oito suspeitos foram conduzidos para a Delegacia de Plantão da Zona Norte. A polícia orientou que pessoas que tenham sido vítimas de roubos em propriedades rurais nos últimos dias procurem a delegacia para tentar reconhecer os suspeitos e os objetos apreendidos.

G1/RN

Caern cria mais alternativas para o pagamento de contas no cartão de crédito

Escritório da Caern em São José de Mipibu


A partir desta quarta-feira (21), a Caern vai disponibilizar mais uma facilidade para o cliente pagar suas faturas. Agora, vai ser possível pagar e parcelar qualquer fatura utilizando o cartão de crédito, em até 24 vezes, desde que o valor das parcelas seja de no mínimo R$ 5,00. Antes, só era possível parcelar no cartão as faturas vencidas há mais de 30 dias, com parcelamento limitado a 12 vezes.
 
“A medida tem o objetivo de oferecer mais facilidades para que o cliente fique em dia com a Caern, utilizando diferentes meios de pagamento”, enfatiza o superintendente Comercial da companhia, Giordano Filqueira. Com a nova modalidade, até mesmo contas ainda a vencer podem ser pagas no cartão de crédito, que podem até serem parceladas em até 24 vezes, respeitando os critérios de valor mínimo das parcelas.
 
Também haverá isenção integral de juros e multa por atraso para os pagamentos feitos no cartão, seja de débito ou crédito.
 
CANAIS
 
Os clientes podem utilizar os canais virtuais para o pagamento. As alternativas são a Agência Virtual (www.caern.com.br), o aplicativo Caern Mobile, ou o atendimento via Whatsapp, no número (84) 98137-2343.

Parnamirim terá o segundo maior hospital do Estado

O Hospital Deoclécio Marques de Lucena, no município de Parnamirim, terá o incremento de 69 novos leitos. A ordem de serviço para reforma e ampliação foi assinada dia 20, pela governadora, professora Fátima Bezerra. Com a ampliação o Deoclécio Marques de Lucena, unidade hospitalar referência em cirurgia e traumatologia, passará dos atuais 80 para 149 leitos, se consolidando como o segundo maior do Estado. O maior é o Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, em Natal.

“Atendimento de saúde pública digno e de qualidade é direito da população. E o hospital Deoclécio Marques atende não só Parnamirim, mas todo o Estado. Principalmente quem não tem plano de saúde. Nossa gestão tem compromisso com a cidadania, com a dignidade da população e assistência de saúde de qualidade”.

Fátima Bezerra – Governadora

O secretário de estado da Saúde Pública (Sesap), Cipriano Maia, disse que a reforma e ampliação vai melhorar a infraestrutura e o atendimento para o município, região e estado. “O [Hospital] Deoclécio Marques de Lucena atende os 167 municípios do estado, é porta referenciada para vítimas de acidentes, trazidos pelo SAMU – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e encaminhados pelas UPAs. O aumento dos 69 leitos vai ampliar a capacidade de atendimento geral e das cirurgias, com mais uma sala no centro cirúrgico, aumentar a capacidade da Central de Esterilização, melhorar a ambiência nos corredores contribuindo para a qualidade na assistência e valorização do profissional de saúde”.

Governo do RN investe R$ 2,36 milhões no Hospital Deoclécio Marques de Lucena
. [Foto: Elisa Elsie – Assecom]

Wedna Mendonça, diretora administrativa do Hospital Deoclécio Marques de Lucena, afirmou que as obras eram “muito esperadas e necessárias. Agora vai se realizar. Agradecemos o empenho do Governo do Estado e da Sesap”.

As obras devem iniciar na próxima segunda-feira (27) e têm prazo para conclusão de dez meses. O secretário de Estado da Infraestrutura (SIN), Gustavo Coelho, informou que serão investidos R$ 2,36 milhões e os serviços realizados pela construtora Engevac, vencedora da nova licitação. 

Presente ao ato de assinatura da ordem de serviço, o gerente-executivo de Governo da Caixa Econômica Federal, Sílvio Conceição, registrou que “o processo vinha desde 2012 e por diversos momentos quase perdíamos este contrato. Mas, com muito empenho a atual gestão estadual literalmente ressuscitou o contrato”. Para Lamarck Mangueira, gerente-executivo de Governo da CEF “este é momento importante para a saúde e dignidade das pessoas. O Hospital praticamente dobra a capacidade. A Caixa Econômica Federal continua parceira do Estado para outros investimentos. Conseguimos destravar este e daqui a 10 meses as obras serão entregues”. 

A assinatura da ordem de serviço também contou com a presença da secretária-adjunta do Gabinete Civil do Governo do Estado, Socorro Batista, da subcoordenadora de Atenção Hospitalar da Sesap, Riudete Martins e do representante da construtora Engevac, Rafael Vieira.

O hospital hoje:

* Referências no RN na área de ortopedia e traumatologia, além de cirurgias gerais;
* Média de atendimentos semanal de 290 pacientes;
* 950 profissionais trabalham na unidade;
* Dispõe de 46 leitos de ortopedia/traumatologia, 18 de cirurgia geral, 12 leitos de clínica geral, 10 leitos de UTI Adulto.

Deputado bolsonarista que acusou fraude na urna reconhece que não tem provas

O deputado estadual Castello Branco de Luca (PSL-SP), em resposta ao Tribunal Superior Eleitoral, afirmou que suas acusações de que houve fraude nas eleições de 2018 foram apenas reprodução do que tinha ouvido de eleitores. Ele não apresentou prova de que houve algum tipo de irregularidade no pleito. A informação é da jornalista Carolina Brígido, do UOL.

De acordo com a publicação, o parlamentar disse que houve “centenas de reclamações sobre possíveis indícios e suspeitas de irregularidades do funcionamento das urnas eletrônicas feitas por eleitores de São Paulo”. Luca diz que que em uma zona eleitoral não havia registro de sequer um voto em determinado candidato a vereador.

“Apesar dessas reclamações feitas por eleitores, não houvera a impugnação exigida em conformidade do que disciplina o ordenamento legal e, muito menos chegou a mim provas de materialidade de eventuais irregularidades”, admitiu o deputado.

A resposta foi a um pedido do corregedor Luís Felipe Salomão para que o deputado apresentasse provas de suas acusações. Salomão enviou a mesma notificação ao presidente Jair Bolsonaro e a Cabo Daciolo, candidato a presidente derrotado em 2018. Até o momento, só Luca respondeu.

CARTA EXPRESSA

Seleção feminina goleia China na estreia do Brasil nas Olimpíadas

Foto: Sam Robles/CBF

A seleção brasileira de futebol feminino estreou com goleada de 5 a 0 contra a China, na Olimpíada de Tóquio (Japão), na manhã desta quarta-feira (21). Após o triunfo no estádio de Miyagi, na cidade de Rufu, as brasileiras garantiram os três primeiros pontos do Grupo F.

O Brasil começou em um ritmo arrasador. Logo aos oito minutos de jogo, a rainha Marta bateu de primeira, inaugurando o marcador. Na sequência, aos 21, foi a vez da atacante Debinha aproveitar o rebote da goleira Peng Shimeng, no chute de Bia Zaneratto, e empurrar para o fundo da rede, fazendo o segundo do duelo.

Apesar da seleção asiática ter conseguido equilibrar o confronto, quem marcou mais uma vez foi a Seleção Brasileira. Aos 28, a camisa 10 Marta bateu colocado, no canto esquerdo, e fez o terceiro das brasileiras. Na quinta edição da rainha em Jogos Olímpicos, este foi 12º gol marcado pela jogadora.

Em seguida, o Brasil foi soberano na partida. A meio-campista Andressa Alves foi derrubada por Wang Xiaoxue na área e sofreu o pênalti aos 36. Ela mesma cobrou e fez o quarto do jogo. Ainda deu tempo para o quinto. Debinha deu assistência para a atacante Bia Zaneratto, que empurrou para o fundo da rede, fechando o placar. China 0, Brasil 5.

As brasileiras voltam a campo no sábado (24) para enfrentar a Holanda. A partida será realizada no estádio Miyagi, às 8h (horário de Brasília).

Seleção masculina estreia nesta quinta-feira (22)

O escrete olímpico masculino faz o primeiro jogo contra a Alemanha, nesta quinta (22), às 8h30 (horário de Brasília), no estádio Yokohama Internacional, na cidade de Yokohama. Os brasileiros vão reeditar a final dos Jogos da Rio 2016, quando o país levou a melhor nos pênaltis, após empate em 1 a 1 no tempo regulamentar. A vitória por 5 a 4 nas penalidades garantiu o ouro inédito ao Brasil no futebol olíimpico.

*Rafael Monteiro – Repórter da Rádio Nacional

Reunião trata de plano de ação para fiscalizações na Adutora Monsenhor Expedito

O plano prevê acolhimento de denúncias de possíveis desvios de água na adutora

O coordenador Técnico e de Planejamento do Igarn, André Nunes, e a técnica do setor de Fiscalização, Selma da Silva, participaram, na manhã desta terça-feira (20), de reunião com a participação de representantes da Semarh, Caern, Cipam e Idema, que tratou do plano de ação de Fiscalização da Adutora Monsenhor Expedito. A reunião foi conduzida pelo diretor de Operação e Manutenção da Caern, Thiago Índio. 

Entre os trabalhos propostos estão: recepção de denúncias de possíveis desvios de água na adutora através da ouvidoria ou outros meios; voos de drone da Cipam em trechos estratégicos para a observação de áreas de difícil acesso e/ou ampliação de visão;  equipe percorrendo trechos da adutora de carro para a identificação de desvios com o auxílio de equipamentos como georadar; equipe para realização do corte de desvios identificados; realização de notificação aos responsáveis pelo referido desvio; emissão de boletim de ocorrência; cálculo de multa e período não faturado; emissão de relatório de fiscalização; emissão de notícia crime ao MP e emissão de relatório final. 

O Igarn prestará apoio ao plano na fiscalização sistemática da lagoa do Bonfim, já a Semarh apoiará com o auxílio às comunidades rurais; o Idema fiscalizará empreendimentos para o seu devido licenciamento; a Cipam disponibilizará o drone e equipes para acompanhamento dos profissionais da Caern em áreas que oferecem resistência ao trabalho de fiscalização e notificação de irregularidades; o Ministério Público prestará apoio na condução das notícias crime enviadas.

Bolsonaro reafirma que vetará fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões em 2022

Foto: Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Bolsonaro reafirmou na noite desta terça-feira (20) que vetará o fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões aprovado pelo Congresso Nacional na semana passada, no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) de 2022.

“Defendemos, acima de tudo, a harmonia entre os Poderes, bem como a sua autonomia. É partindo deste princípio que jogamos, desde o início, dentro das quatro linhas da Constituição Federal. Dito isso, em respeito ao povo brasileiro, vetarei o aumento do fundão eleitoral”, escreveu o presidente em postagem na sua conta de Twitter.

Na segunda-feira (19), em entrevista exclusiva para a Rádio Nacional, o presidente já havia sinalizado a intenção de vetar o valor aprovado pelos parlamentares. “A tendência nossa é não sancionar isso daí em respeito aos trabalhadores, ao contribuinte brasileiro”, disse o presidente. Ele defendeu que o recurso poderia ser melhor aplicado na construção de pontes e construção de malha rodoviária, por exemplo.

O fundo de financiamento de campanha foi criado após a proibição do financiamento privado, em 2015, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), sob o argumento de que as grandes doações empresariais desequilibram a disputa eleitoral. Nas eleições de 2018, o valor reservado para as candidaturas foi R$ 2 bilhões. O veto presidencial, se confirmado, precisará ser analisado pelos congressistas, que podem derrubá-lo.

*Pedro Rafael Vilela – Repórter da Agência Brasil

ARTIGO: Os Ministros Ordenados e as Mídias Sociais

Pe. Matias Soares

A Igreja é uma das grandes comunicadoras da civilização; ou talvez, a maior delas. A fonte e o meio da sua ação é a Palavra (cf. Jo 1,1-3.14). Essa base de sustentação ela recebeu da tradição semítica. Enquanto a acolhida do patrocínio da razão é dos gregos, a do judaico é a palavra. O evangelista João, nas suas preocupações de purificar as constituições cristãs da ‘gnose’, utilizou bem a ideia do (λόγος) como ‘palavra, razão’, mesmo que na sua concepção original esteja a ideia judaica da palavra como força criadora de Deus. A teologia na contemporaneidade, especificamente com o teólogo católico Karl Rahner, assinalou o ser humano como ‘ouvinte da palavra’; ou seja, como aquele que, transcendentalmente, é capaz de acolher a Palavra. É a ‘Capax Dei’! (Teologia Patrística).

Essa situação antropológica e teológica da condição humana o torna extremamente responsável pelo que ele é chamado a fazer e a como usar a ‘palavra’; como, outrossim, os meios de transmiti-la. A nova ordem sistêmica na pós-modernidade, com seu admirável mundo novo, potencializou, com o surgimento e o fortalecimento das mídias sociais, as quantidades de mecanismos comunicacionais. A questão posta a todos está contida no ‘ethos’, ou seja, no modo de usá-las, na sua densidade, com relação às pessoas entre si. O que está em jogo é a dignidade das pessoas, a estabilidade das instituições, a transmissão da verdade, os sistemas políticos, como a própria democracia, o ordenamento social e o bem-estar de todos os cidadãos.

A Igreja foi sensível à necessidade destas ‘Novas Maravilhas’ (cf. Vat. II, Inter Mirifica) para a sua eficiente e eficaz ação evangelizadora. Essa, por sua vez, é justamente o anúncio do Evangelho. Podemos pensar que a amplificação dos meios de comunicação, com as específicas ‘mídias sociais’, é a grande revolução transformadora das estruturas desta Nova Era, que estávamos vivendo antes da pandemia, e que proporcionaram fenômenos pró e contra a dignidade da pessoa humana nestes tempos sombrios em que as crises sanitárias, econômicas, políticas, ecológicas e existenciais afrontaram profundamente à ecologia integral, da qual o ser humano é o seu centro (cf. PP Fco, LS, cap. IV).

Os cidadãos e os cristãos, na sua totalidade, são chamados a considerar seriamente estes fatos sociais. Nesta reflexão, a nossa preocupação volta-se para os ministros ordenados, pontualmente, e o modo como os mesmos estão a manusear as ferramentas. No cap. IV, cân. 666, sobre as obrigações e direitos dos institutos e de seus membros, no que concerne aos religiosos, o Código de Direito Canônico preceitua o seguinte: “No uso dos meios de comunicação social, observe-se a necessária discrição e evite-se o que é prejudicial à própria vocação e perigoso para a castidade de uma pessoa consagrada”. Os consagrados devem ser ‘discretos e não alimentem paixões desordenadas’ com o desequilibrado manuseio destes objetos.

Na atualidade, muitos problemas têm surgido em várias partes do mundo envolvendo religiosos que, marcados pela solidão, transtornos psicológicos, desvios de conduta e despreparo técnico, sofrem e causam muitos danos à Igreja e a outras pessoas; inclusive a menores de idade, que ficam marcados pela degradante postura daqueles que são chamados a ser cuidadores, e não predadores. No Ano Sacerdotal, promulgado pelo então Papa Bento XVI, a Igreja foi provocada por vários escândalos que foram noticiados em todo o mundo acerca de casos de pedofilia do passado e do presente, que mancharam e denigrem a face materna da Igreja, que infelizmente carrega no seu seio ‘alguns’ criminosos e desequilibrados, que se camuflam dentro dela para esconder e perpetrar delinquências desta natureza.

A direção dada pela Igreja sobre o reto uso dos meios de comunicação está sinteticamente apresentada, mais uma vez no Código de Direito Canônico, que no título IV, cânones 822 – §1, §2, §3 ; 823 – §1, tipifica o seguinte:

“ – Os pastores da Igreja, no cumprimento do seu ofício, usando o direito próprio da Igreja, procurem utilizar os meios de comunicação social;

– Cuidem os pastores de instruir os fiéis a respeito da obrigação que têm de cooperar para que o uso dos meios de comunicação social seja vivificado pelo espírito humano e cristão;

– Todos os fiéis, principalmente os que de algum modo participam da organização e uso desses meios, sejam solícitos em colaborar com a atividade pastoral, a fim de que a Igreja possa exercer com eficácia o seu múnus, também através desses meios;

– Para garantir a integridade das verdades da fé e dos costumes, é dever e direito dos pastores da Igreja vigiar para que os escritos ou uso dos meios de comunicação social não tragam prejuízo à fé ou à moral dos fiéis, exigir que sejam submetidos ao seu juízo os escritos sobre a fé e costumes a serem publicados pelos fiéis, como ainda reprovar os escritos que sejam nocivos à verdadeira fé e aos bons costumes”.

O que temos nestas declinações é que todos os ministros ordenados – como também os demais membros do povo de Deus – são interpelados a usar estes canais para a evangelização. A outra constatação que se nos é imposta é que o façamos de modo consciente e responsável: não só para o nosso próprio bem, como também, para não escandalizarmos a fé e os bons costumes dos fiéis e demais membros da sociedade. Infelizmente, com a midiatização da vida pessoal e social – e o ministro ordenado tem que ser interpretado nesta situação concreta -, se tornou trivial acompanharmos uma constante e instantânea exposição de alguns ministros ordenados, com tendências narcisistas e profundos sinais de vazios existenciais. Alguns se esquecem completamente a sua dignidade e o que são chamados a testemunhar.

Nesta fase da pandemia a Igreja teve que à duras penas entender que tem que adentrar nesta problemática; tanto para que a sua missão de sacramento do Reino de Deus seja aprimorada, mas ainda no investimento da formação humana e técnica dos ministros ordenados, para que o seu modus operandis nas mídias sociais não seja danoso à sua tarefa evangelizadora, nem prejudicial à sua própria vida e identidade, ou ainda a dos demais indivíduos da comunidade eclesial. O tema não pode ser tratado com medo, e sim com parresia. A verdade não causa danos à Igreja. O que faz mal é a omissão e o relaxamento das medidas necessárias para que o bem, a verdade e a justiça possam acontecer, a fim de que todos sejam beneficiados, inclusive quem é desequilibrado na condução das suas atitudes.

Os problemas estão sendo vistos desde a ação litúrgica até os relacionamentos afetivos e emocionais destes nossos irmãos. O drama é profundo. Nada do que é humano pode nos ser estranho. Contudo, o laxismo e a conivência com tais confusões comportamentais não podem ser tolerados em nome de uma ‘teologia da misericórdia’ que não condiz com o genuíno patrimônio espiritual e epistemológico da Igreja, que vincula a caridade à sua companheira inseparável, que é a justiça. Sem esquecer que a problemática do manuseio desordenado das mídias sociais se tornou uma questão de saúde pública. Há ministros ordenados atualmente que são viciados em mídias sociais. Muitos passam os seus dias atrelados aos celulares e computadores, nem sempre com a intenção de evangelizar.

Enfim, o Papa Francisco proferiu um discurso aos sacerdotes do Colégio de São Luís dos Franceses, em Roma (cf. PP Fco, 07/06/21), no qual tratou das ‘fragilidades dos presbíteros como lugar teológico’. Na Era Digital e com as sequelas existenciais e conjunturais deixadas pela pandemia e o pós-pandemia, a Igreja e, ainda mais, nós, os próprios ministros ordenados, estamos sendo instigados a saber que sinais de esperança ‘somos’ para as pessoas neste momento crítico da história da humanidade. A nossa dignidade, a nossa responsabilidade, a preocupação com a nossa formação permanente, o bem da nossa Igreja, que é Mãe e Mestra, as nossas ocupações e o discernimento que somos chamados a fazer cotidianamente, para que o nosso lugar, no tempo e no espaço, não seja motivo de ridicularização, nem de escândalo para o povo de Deus que nos foi confiado, têm que ser levados a sério, principalmente quando usamos os meios de comunicação social. Assim o seja!

Pároco da paróquia de S. Afonso M. de Ligório/Natal-RN